O que é Período de Graça, Carência e Qualidade de Segurado? Entenda

Compartilhe
PUBLICIDADE

Conceitos como Qualidade de Segurado, Período de Graça e Carência, são questões relevantes para a concessão dos benefícios previdenciários, portanto, é importante estar ciente, no quis diz respeito ao assunto e qual a diferença entre eles. 

Em resumo, a qualidade de segurado é a condição atribuída àqueles que contribuem com a Previdência Social, sendo ele um filiado ao Instituto Nacional de Segurança Social (INSS). Já o Período de Graça, diz respeito a um determinado tempo em que se mantém a qualidade de segurado, mesmo que o indivíduo não esteja realizando contribuições. Por fim, a carência é o conceito referente ao número de contribuições necessárias para a concessão de um determinado benefício previdenciário.

Este artigo buscará explicar de forma simples como eles se aplicam, bem como as diferentes situações e formas nas quais eles funcionam.  Sendo assim, para saber melhor como estes conceitos se desenrolam, continue lendo. 

 Qualidade de Segurado 

Previamente, é necessário saber o que é a chamada Qualidade de Segurado, para assim entender melhor os outros conceitos. 

Como já citado, quando se começa a contribuir junto ao INSS, o cidadão passa a ter a qualidade de segurado, ou seja, ele possui direitos e deveres junto ao Regime da Previdência Social (RGPS). 

Sendo assim, o principal dever ao alcançar esta condição, é realizar devidamente as contribuições junto ao INSS. Já os direitos são referentes aos benefícios que são garantidos a este cidadão como: 

  • Aposentadorias (por idade, contribuição, invalidez, etc.);
  • Auxílios (doença, acidentes, reclusão, etc.);
  • Pensões (por morte e especiais);
  • Salário Maternidade;
  • Entre outros benefícios. 

Vale ressaltar, que cada benefício tem suas próprias condições, para sua concessão, todavia, em geral, todos primordialmente exigem a qualidade de segurado.

Posto isto, confira uma lista referente à aqueles que possuem a condição de segurados pelo INSS: 

  • Trabalhador Formal: carteira assinada;
  • Trabalhador Avulso: Exerce sua atividade remunerada por conta própria, por um sindicato ou gestor de mão de obra;
  • Contribuinte individual: Trabalha por conta própria, sem subordinação a uma ou mais pessoas;  
  • Segurado Facultativo: Não exerce atividade remunerada, todavia, deseja a proteção da Previdência Social;
  • Segurado especial: Trabalhador rural, que tem sua atividade remunerada direcionada para o próprio sustento e/ou de sua família (individual ou em regime de economia familiar);
  • Empregado Doméstico: Exerce sua atividade remunerada no âmbito da residência (Faxineiros, caseiros, babás, etc.).

Além disso, também se encontram na qualidade de segurado do INSS, os seguintes casos: 

  • Está recebendo algum benefício previdenciário do INSS, como o salário-maternidade, com exceção do auxílio-acidente;
  • Está assegurado pelo Período de Graça. 

É sobre esta última situação, na qual costuma gerar dúvidas, que iremos falar agora. 

Período de Graça  

Assim como previamente dito em resumo na matéria, o Período de Graça nada mais é que tempo previsto por lei, no qual o cidadão mantém os direitos dos benefícios previstos pelo INSS. Contudo, este período varia conforme a categoria de segurado em que o beneficiário se enquadra, pois, desta forma ele se encontrará em diferentes situações. Entenda melhor a seguir: 

Até 12 (doze) meses após o último recolhimento: referente ao segurado que deixou de exercer sua atividade remunerada, ou estiver licenciado, ou suspenso, sem remuneração;

Até 12 (doze) meses após o término do benefício por incapacidade: referente àqueles que deixaram de gozar desses benefícios, bons exemplos são: Auxílio-doença e salário-maternidade;  

Até 12 (doze) meses após o livramento: referente ao cidadão que estava preso ou detido; 

Até 12 (doze) meses após o término da segregação: referente àqueles que possuíam alguma doença que exigia segregação compulsória, ou seja, houve a necessidade de isolar o cidadão, durante o tratamento da enfermidade.

Até 6 (seis) meses após o último recolhimento junto ao INSS: prazo designado para segurados Facultativos; 

Até 3 (meses) após o licenciamento: referente a segurados incorporados às forças armadas para prestar serviço militar;

Sem limite de prazo: neste caso, caso o cidadão esteja recebendo algum benefício, a qualidade de segurado é mantida. 

Ademais, conforme a Lei 8.213/91, é possível que esse prazo de 12 meses seja estendido. Confira: 

Acréscimo de 6 meses em casos em que o segurado tenha recebido por último o salário-maternidade ou  benefício por incapacidade;

Acréscimo de 12 meses em casos, nos quais o cidadão está na qualidade de segurado e tenha recebido o seguro-desemprego ou esteja inscrito no Sistema Nacional de Emprego (SINE);

Acréscimo de 12 meses, caso o segurado some mais de 120 contribuições (10 anos), sejam elas consecutivas ou intercaladas. Contudo, isto só é válido, caso o cidadão não tenha perdido a qualidade de segurado.

Vale lembrar, que conforme a lei 13.846/19, aqueles que são beneficiários do auxílio-acidente, não têm mais direito ao período de graça.

Período de carência

Por fim, mas não menos importante, temos o que é chamado de carência, que é a quantidade de contribuições necessárias para que o segurado faça jus ao determinado benefício.

Contudo, nem todos os benefícios exigem este quesito. Dito isso, confira uma lista dos que exigem e seu respectivo período de carência: 

  • Salário-maternidade: 10 meses;
  • Benefício  por incapacidade e aposentadoria por invalidez: 12 meses;
  • Auxílio-reclusão: 24 meses.
  • Aposentadoria por tempo de contribuição, idade ou  especial: 180 meses (15 anos).

Conteúdo por Lucas Machado

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil