var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "2", c2: "14194541" }); (function() { var s = document.createElement("script"), el = document.getElementsByTagName("script")[0]; s.async = true; s.src = (document.location.protocol == "https:" ? "https://sb" : "http://b") + ".scorecardresearch.com/beacon.js"; el.parentNode.insertBefore(s, el); })();

Posso ser demitido por me recusar a me vacinar contra a Covid-19?

Compartilhe
PUBLICIDADE

O Supremo Tribunal Federal já considerou válida a vacinação obrigatória disposta no artigo 3º da Lei 13.979/2020.

Além disso, o guia técnico do Ministério Público do Trabalho sobre a vacinação da Covid-19 menciona o afastamento do trabalhador e considera falta grave a recusa injustificada em não se vacinar.

Partindo dos pressupostos determinados por esse cenário, já é possível encontrar, na prática, empregados sendo dispensados com justa causa por terem recusado a vacina contra a Covid-19. E alguns desses trabalhadores tentam a reversão perante a Justiça do Trabalho.

Contudo, em recente decisão proferida pela 2ª Vara do Trabalho de São Caetano do Sul, a Justiça do Trabalho de São Paulo validou a dispensa por justa causa de uma auxiliar de limpeza de hospital infantil que se recusou a ser imunizada contra o vírus causador da atual pandemia.

“A empregada dispensada alegava em ação que não teve a oportunidade de expor a sua decisão. Em contrapartida, a empresa conseguiu comprovar, cabalmente, que realizou campanhas sobre a importância da vacinação, especialmente para profissionais que atuavam na área da saúde e ambiente hospitalar (como o caso).

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Assim como demonstrou, pela juntada de advertência assinada pela empregada, que essa recusou a vacina injustificadamente em duas ocasiões”, apresenta o caso Daniel Bijos Faidiga, advogado especialista em contencioso cível estratégico e arbitragem, membro da Comissão Especial de Coaching Jurídico da OAB/SP e sócio do escritório LBZ Advocacia.

Segundo o advogado, um fundamento importante trazido pela referida sentença é que a liberdade de consciência não deve se sobrepor ao direito à vida.

E ele destaca a decisão conforme segue: “A necessidade de promover e proteger a saúde de todos os trabalhadores e pacientes do hospital, bem como de toda a população, deve se sobrepor ao direito individual da autora em se abster de cumprir a obrigação de ser vacinada”.

“Pelo exemplo do caso em questão, é possível concluir que o empregador tem o dever constitucional de oferecer condições dignas que protejam a saúde e a integridade física de todos os trabalhadores que lhe prestem serviços e, para isso pode, a partir de critérios e regras pré-estabelecidas e atinentes a cada caso, vir a dispensar com justa causa aquele empregado que se recusar a adotar medidas de prevenção contra a Covid-19, dentre elas a vacinação”, explica Faidiga.

“Por fim, vale reforçar que, no âmbito das relações do trabalho, onde a legalidade impera nas discussões judiciais e a justa causa é medida extrema, o cenário acima foi julgado conforme os fatos e provas ali existentes.

Cada caso deverá ser avaliado dentro de suas particularidades, em especial na adoção de uma medida tão drástica como a rescisão motivada”, alerta.

Por LBZ Advocacia

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil