Procedimentos que servirão como prova de vida é regulamentado pelo o INSS

Agora a prova de vida não será mais de responsabilidade do beneficiário, caberá ao INSS comprovar que o segurado está vivo

Compartilhe
PUBLICIDADE

O novo sistema de prova de vida de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começou a valer na quinta-feira (26), com a regulamentação da medida. 

Agora a prova de vida não será mais de responsabilidade do beneficiário, caberá ao INSS comprovar que o segurado está vivo. Isso será feito por meio de cruzamento de bases de dados do governo e dos bancos.

De acordo com a portaria que foi publicada, foi estabelecida uma escala de pontuação a cada procedimento de coleta de dados, conforme a integridade da informação. Os dados serão armazenados por tempo indeterminado e formarão um banco de pontuação.

O INSS terá dez meses, a partir da data de aniversário do beneficiário, para comprovar que o titular está vivo, por meio de cruzamento de dados. Caso o INSS não consiga as informações suficientes, notificará o segurado (pela rede bancária, pelo aplicativo Meu INSS ou pelo telefone 135), informando que ele deverá realizar o procedimento de prova de vida.

Leia Também: Mudar a política do salário mínimo é mais urgente do que aumentar valor, diz ministro

Bloqueio

A partir de então, o beneficiário terá mais 60 dias para comprovar que está vivo. Ultrapassando esse prazo, e o segurado não atingir a pontuação mínima, o INSS enviará um servidor público onde a pessoa mora. Por isso, você deve sempre manter o endereço atualizado no aplicativo Meu INSS.

Caso o funcionário do INSS não encontre ninguém no endereço que consta como base de dados, o benefício será bloqueado por 30 dias. Será o prazo para que o segurado possa comprovar a vida fazendo a biometria em um caixa eletrônico ou indo a uma agência bancária. O segurado também poderá ir a uma unidade do INSS.

Se o empregado do INSS não encontrar a pessoa no endereço que consta na base de dados, o benefício será bloqueado por 30 dias. Nesse período, o segurado ainda pode comprovar a vida fazendo biometria em um caixa eletrônico ou indo a uma agência bancária ou a uma unidade do INSS.

Leia Também: Rodrigo Santoro estrela série de terror teen

Suspensão do benefício

Por isso, fique atento, caso o aposentado não se manifeste, o benefício será suspenso. Após seis meses, a aposentadoria ou pensão será cancelada de forma definitiva.

A missão do INSS é comprovar que cerca de 17 milhões de beneficiários continuam vivos. Mas o segurado que desejar e tiver condições, pode continuar indo a sua agência bancária ou usar o aplicativo Meu INSS nos dez meses posteriores ao seu aniversário, comprovar que está vivo. Lembrando que a ação do beneficiário passará a ser voluntária, não mais obrigatória.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil