Protestos na Colômbia continuam após o governo retirar a reforma tributária

San Jose Del Guaviare, Colômbia – Protestos violentos continuam em torno da Colômbia, à medida que os sindicatos fazem mais demandas ao governo de direita do presidente Ivan Duque, após sua retirada de uma proposta de reforma tributária que gerou indignação pública generalizada.

O governo disse que a reforma tributária visa estabilizar um país economicamente devastado pela pandemia do coronavírus, mas as classes médias e trabalhadoras disseram que o plano favorece os ricos, enquanto os pressiona ainda mais.

Uma série de impostos novos ou ampliados para cidadãos e empresários e uma redução e eliminação de muitas isenções fiscais, como aquelas sobre vendas de produtos, irritaram muitos.

O ministro da Fazenda, Alberto Carrasquilla, apresentou sua renúncia na noite de segunda-feira, depois de passar a maior parte do dia em reuniões com Ivan Duque.

“Minha permanência no governo complicará a construção rápida e eficaz do consenso necessário”, disse Carrasquilla em um comunicado do ministério, conforme relatado pela agência de notícias Reuters.

Mas os especialistas dizem que as manifestações devem continuar. Alicia Gomez, uma faxineira de 51 anos que apoia os protestos, disse à Al Jazeera que os colombianos estão cansados de o governo “cobrar mais impostos” sobre a população, que já está lutando por causa da pandemia COVID-19.

Duque já havia insistido que a reforma não seria retirada, mas os protestos contínuos, mortes e condenação internacional de supostas violações dos direitos humanos contra manifestantes pela polícia fizeram o presidente ceder no domingo.

“Esta é a primeira vez que o governo cedeu diante de uma oposição popular generalizada”, disse Arlene Tickner, professora de ciências políticas da Universidade Rosario de Bogotá. 

“O fato de a reforma tributária ter poucas chances de ser aprovada no Congresso, combinado com a crescente indisciplina dos protestos e a condenação interna e internacional da brutalidade policial generalizada, provavelmente influenciou a decisão do presidente.”

Em uma entrevista à mídia local no mês passado, Carrasquilla foi questionado sobre quanto custava uma dúzia de ovos. Em sua resposta irrealista, ele disse que eram mais de quatro vezes mais baratos do que realmente são, provocando indignação em um país que já luta com uma crise econômica por conta do coronavírus.

“O ministro Carrasquilla deveria renunciar porque um ministro que nem sabe quanto custa uma dúzia de ovos é um constrangimento completo para nós, colombianos”, disse Gomez, que trabalha em Bogotá, antes de o ministro anunciar sua renúncia.

“A grande insatisfação”

Mas a raiva popular vai além da reforma tributária sozinha; Gimena Sanchez, do laboratório de ideia Washington Office na América Latina, disse à Al Jazeera que há “uma grande insatisfação” nas ruas.

“A repressão brutal dos protestos o alimentou e piorou”, disse Sanchez.

“A impopularidade de Duque e a distância captada da população em geral e seus interesses combinados com a desaceleração econômica devido ao COVID e às restrições, aumento da insegurança e desinteresse em promover a paz manterão esses protestos em andamento.”

Uma greve nacional foi convocada na última quarta-feira pelos maiores sindicatos do país e protestos estão ocorrendo desde então em Bogotá, Medellín e Cali, entre outras cidades.

Cali tem visto os confrontos mais intensos entre os manifestantes e a polícia.

Na segunda-feira, o Comitê de Greve Nacional disse que os protestos continuariam, com a próxima greve nacional marcada para quarta-feira.

“Os manifestantes estão exigindo muito mais do que a retirada da reforma tributária”, disse Francisco Maltes, presidente do Sindicato Central dos Trabalhadores (CUT), em entrevista coletiva.

Os sindicatos estão pedindo a retirada de uma proposta de reforma da saúde e a garantia de uma renda básica de um milhão de pesos (US $260) para todos os colombianos, bem como a desmilitarização das cidades, o fim da violência policial em curso e o desmanche de violentos motins policiais conhecidos como ESMAD.

Luisa Gonzalez/File Photo

Violência Policial

Grupos de direitos humanos também condenaram a força policial do país por abusos a esses direitos durante os protestos recentes.

A Al Jazeera não conseguiu confirmar o número de mortes, já que autoridades locais e números de ONGs são amplamente contestados.

Relatórios do investigador local disseram que 16 civis e um policial morreram até o momento, enquanto a Temblores, uma ONG que monitora a violência policial em todo o país, disse que 26 manifestantes foram mortos pela polícia e 1.181 casos de violência policial foram registrados.

“A atual situação dos direitos humanos na Colômbia é crítica… não há garantias para a vida nem para a proteção dos manifestantes”, disse Sebastian Lanz, codiretor da Temblores, à Al Jazeera.

“As agências internas de verificação de direitos humanos não estão funcionando”, disse Lanz. “Exigimos que o presidente Ivan Duque e a polícia parem com esse massacre agora.”

Na segunda-feira, 03,  o chefe da polícia nacional da Colômbia, general Jorge Luis Vargas, disse que 26 investigações sobre a má conduta policial foram abertas.

O ministro da Defesa do país culpou na segunda-feira a violência recente a “grupos armados”.

O chefe da divisão da América da Human Rights Watch, José Miguel Vivanco, disse à Al Jazeera que à medida que aumenta o número de mortos nos protestos, “a necessidade de uma reforma policial parece inadiável”.

“Manifestantes que praticam violência deveriam ser investigados, mas isso não é desculpa para o uso de força brutal. A experiência recente na Colômbia levanta questões sobre se a polícia, e sua força policial antimotim (ESMAD), estão aptas para realizar operações de controle de multidões que respeitem os direitos básicos ”, disse ele.

Atitude do Governo

Mas como os protestos devem continuar, analistas políticos questionam se o governo de Duque realmente compreende a amplitude do descontentamento dos colombianos.

“Isso começou como algo sobre a reforma tributária, mas agora é sobre todos os outros tipos de coisas. É uma bola de neve em um protesto muito maior que eu acho que o governo realmente não tem uma compreensão”, Sergio Guzman, um analista político que dirige a empresa de Análise de Risco da Colômbia, disse à Al Jazeera.

Guzman disse que o governo poderia iniciar um novo diálogo nacional, mas parece concentrado por enquanto em decidir quem assumirá o cargo de ministro das finanças.

“Acho que isso vai nos dar muitas indicações se o governo está ouvindo ou não as pessoas na rua, porque se ele escolhe alguém de dentro do partido atual, está sugerindo que eles acham que podem lidar com a crise eles mesmos.”

Tickner, o cientista político, disse que a presidência de Duque foi caracterizada por uma combinação de incompetência, arrogância e falta de vontade de reconhecer fontes legítimas de descontentamento.

“Há poucos motivos para pensar que as coisas vão mudar significativamente agora que ele está se aproximando da marca de um ano para o fim de seu governo”, disse ela, já que as eleições presidenciais colombianas estão programadas para 29 de maio do próximo ano.

Ela acrescentou que não vê fim para os protestos por enquanto. “Há poucos indícios de que o governo se engajará no tipo de diálogo nacional genuíno que está sendo exigido.”

Conteúdo traduzido da fonte Al Jazeera por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil

Comentários estão fechados.