Quais aposentados podem aumentar em 25% o benefícios do INSS?

Muitos não sabem, mas o INSS concede um adicional de 25% no valor do benefício para certos aposentados. 

Compartilhe
PUBLICIDADE

De imediato, cabe esclarecer que não são todos os aposentados que poderão solicitar o adicional de 25% do INSS. Na verdade, o valor acrescido somente é destinado a um grupo seleto de segurados, e engloba apenas uma modalidade de aposentadoria. 

Em suma, o adicional é um benefício exclusivo da chamada aposentadoria por incapacidade permanente, mais conhecida como aposentadoria por invalidez. O provento é concedido aos segurados que por motivos de doença ou acidente, não possuem mais condições de trabalhar, permanentemente. 

Sendo assim, para ter a possibilidade de receber o acréscimo, é necessário que o aposentado seja contemplado pelo referido benefício. Ainda sim, também não são todos os aposentados por invalidez que terão direito ao adicional de 25%. Como dito, o acréscimo é destinado a um grupo bastante restrito. 

Sobre o adicional de 25% na aposentadoria

Conforme as normas previdenciárias, entende-se que um segurado aposentado por invalidez que precisa do auxílio de um terceiro para realizar suas tarefas rotineiras, deve receber um acréscimo de 25% no valor mensal do benefício.

Conforme o art. 45 da Lei 8.213/1991,  “o valor da aposentadoria por invalidez do segurado que necessitar da assistência permanente de outra pessoa será acrescido de 25% (vinte e cinco por cento)”. Isto é, terá direito ao adicional, aqueles que necessitarem de outras pessoas para conseguir fazer tarefas do dia-a-dia, tais como se alimentar, tomar banho, se vestir, entre outros exemplos. 

Em suma, a quantia extra tem como finalidade auxiliar financeiramente nos custos oriundos da condição, a exemplo de cenários em que há necessidade de pagar um cuidador para assistir o aposentado. 

Detalhes importantes sobre o acréscimo

Segundo a regulamentação do adicional de 25%, segue-se as regras descritas abaixo: 

  • Devido a aposentados por invalidez que necessitam de assistência permanente; 
  • Deve ser concedido, mesmo que o aposentado receba o valor límite pago pelo INSS, sendo um dos raríssimos casos em que o teto previdenciário será extrapolado; 
  • O acréscimo incide sobre o valor de todos os pagamentos mensais da aposentadoria, incluindo, o depósito do 13º salário; 
  • O adicional é passível de reajuste, mediante a correção anual dos pagamentos mensais do INSS
  • O adicional não será hereditário, ou seja, não é incorporável ao valor da pensão da morte, em casos de morte do titular. 

Doenças e condições que garantem o adicional 

Em suma, qualquer aposentado por invalidez que precise de assistência permanente nas atividades diárias possui direito ao adicional de 25%. Contudo, existem algumas condições que por si só já configuram a necessidade do acréscimo, são elas: 

  • Alteração das faculdades mentais com graves perturbações da vida orgânica e social;
  • Cegueira total;
  • Doença que exija permanência contínua na cama;
  • Perda de nove dedos das mãos;
  • Paralisia de dois membros superiores ou inferiores;
  • Perda dos membros inferiores, acima dos pés, se a prótese for impossível de ser usada;
  • Perda de uma das mãos e de dois pés, mesmo que a prótese seja possível de ser usada;
  • Perda de um membro superior e outro inferior, se a prótese for impossível.

Nestes ou outros casos que precisem de assistência permanente, o segurado pode encaminhar o pedido do adicional  e agendar a perícia médica, diretamente pelos canais “Meu INSS” (site ou aplicativo). No requerimento, é importante que além dos dados pessoais, estejam presentes documentos médicos que comprovem a condição, tais como laudos, atestados, exames, entre outros.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação