var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "2", c2: "14194541" }); (function() { var s = document.createElement("script"), el = document.getElementsByTagName("script")[0]; s.async = true; s.src = (document.location.protocol == "https:" ? "https://sb" : "http://b") + ".scorecardresearch.com/beacon.js"; el.parentNode.insertBefore(s, el); })();

Semana Brasil: Evento tem como objetivo aumentar as vendas e aquecer o comércio

Compartilhe
PUBLICIDADE

A Semana Brasil, evento que acontece todo ano próximo ao feriado da Independência do Brasil, começa na próxima quinta-feira (3) e vai até 13 de setembro.

A ação tem o objetivo de aquecer o comércio propondo descontos aos consumidores em produtos de diversos setores como eletroeletrônicos, eletrodomésticos, entre outros.

O evento, organizado pela Secretaria de Comunicação do Governo Federal (Secom) em parceria com o Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), neste ano tem a campanha “Vamos em frente, com cuidado e confiança”.

Dados da Cielo mostram que as vendas do varejo cresceram cerca de 12% em 2019 em relação ao ano anterior.

O setor de beleza e saúde foi a categoria com a maior alta de vendas chegando a 19% de crescimento, seguido pelas categorias de móveis e eletrônicos, que cresceram 16%. Já as vendas online cresceram 41% durante a Semana Brasil

Para Felipe Dellacqua, especialista em vendas online, VP de vendas e sócio da Vtex, multinacional que desenvolve plataformas de e-commerce e está presente em mais de 30 países, o ano de 2020 será atípico comparando o varejo online com o varejo físico devido à pandemia do coronavírus.

“O ponto é que cada vez mais os consumidores estão evitando locais lotados e com muitas filas como são as lojas e shoppings em feriados e datas comemorativas. Ainda mais com a pandemia e a preocupação por contaminação, o varejo online será cada vez mais relevante na vida dos brasileiros”, explica Felipe.

Segundo o especialista, a greve dos Correios não é um fator que poderia atrapalhar as vendas, pois a logística no Brasil avançou muito nos últimos anos, tendo entregas cada vez mais rápidas e baratas.

Os Correios ainda são responsáveis por grande parte das entregas do Brasil, principalmente de pequenas lojas e produtos menores.

Mas a iniciativa privada está forte no setor logístico tendo cada vez mais players para suprir essa dependência dos correios.

Inclusive, players tradicionais de transporte como o Uber e o Cabify, nessa quarentena, intensificaram seus serviços como entregas de pacotes de e-commerce para compensar a baixa demanda de clientes”, explica.

Por Felipe Dellacqua, sócio e VP de vendas da Vtex (plataforma de Digital Commerce Solutions com presença em mais de 34 países) a frente de verticais como Fashion e Cross-Border.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil