Servidores do INSS e médico perito são presos por suspeita de fraude

Operação da PF prende três suspeitos de fraude no auxílio-doença do INSS

Compartilhe
PUBLICIDADE

A Polícia Federal  cumpriu  na manhã desta sexta-feira (23) três mandados de prisão e 5 mandados de busca e apreensão no município de Parnaíba, litoral do Piauí, e no Estado do Ceará, nas cidades de Camocim e Chaval.

O objetivo da Operação Raque é desarticular uma organização criminosa que atuava na obtenção auxílio-doença no INSS, que utilizavam principalmente problemas na coluna para conseguir o benefício.

Entre os presos estão dois servidores do INSS, um deles é um médico perito. “As investigações apontam o envolvimento de dois servidores do INSS, sendo um médico perito, que, supostamente em conluio com intermediários, fraudava mediante falsas perícias a concessão de benefícios da espécie incapacidade temporária”, informou a PF.

Segundo a Polícia Federal, após investigação realizada, a Justiça Federal em Parnaíba, determinou a suspensão de 56 benefícios ainda ativos que poderiam provocar um prejuízo potencial superior a R$ 880 mil ao INSS.

Até o momento, o prejuízo ocasionado pela organização criminosa é estimado em R$ 20 milhões. “Foram identificados 386 benefícios por incapacidade temporária (auxílio-doença) supostamente atrelados à associação criminosa e com fortes indícios de fraude. O prejuízo efetivo ao INSS, até o momento, é de mais de R$ 20 milhões”, informou a PF.

A Justiça ainda determinou o bloqueio judicial das contas bancárias de três pessoas envolvidas nas fraudes e o afastamento dos dois servidores do INSS. Os investigados podem responder pelos crimes de associação criminosa, inserção de dados falsos, falsidade ideológica e estelionato majorado.

A Operação mobilizou mais de 20 policiais federais, e foram apreendidas armas, dinheiro de cerca de R$ 65 mil e 2 carros.

O nome Raque, foi usado para designar a investigação porque significa “coluna vertebral”, e foi escolhido pelo fato de os investigados utilizarem doenças na coluna como motivo para concessão dos benefícios fraudados.

Com informações da Polícia Federal

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil