var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "2", c2: "14194541" }); (function() { var s = document.createElement("script"), el = document.getElementsByTagName("script")[0]; s.async = true; s.src = (document.location.protocol == "https:" ? "https://sb" : "http://b") + ".scorecardresearch.com/beacon.js"; el.parentNode.insertBefore(s, el); })();

Tensões entre China e Taiwan geraram uma alta do dólar

Bolsa subiu 1,11%, puxada por mineradoras e bancos

Compartilhe
PUBLICIDADE

O acirramento das tensões políticas entre China e Taiwan interrompeu a trégua dos últimos dias no mercado financeiro. O dólar voltou a aproximar-se de R$ 5,30 e teve a maior alta diária em três semanas.

A bolsa de valores, em contrapartida, descolou-se do exterior e subiu mais de 1%, puxada pela valorização das commodities (bens primários com cotação internacional).

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (2) vendido a R$ 5,279, com alta de R$ 0,101 (+1,94%). A divisa começou o dia em leve alta, mas passou a disparar depois das 11h, quando foi confirmado que a presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, havia pousado em Taiwan.

A moeda norte-americana teve a maior alta para um dia, desde 11 de julho. A cotação está no maior nível desde 26 de julho. Apesar da valorização de hoje, a divisa acumula queda de 5,33% em 2022.

Mercado financeiro

Ao contrário do câmbio, o mercado de ações teve um dia menos tenso. Apesar de iniciar a sessão em baixa, o índice Ibovespa, da B3, reagiu e fechou aos 103.362 pontos, com alta de 1,11%.

A bolsa brasileira subiu mesmo com as bolsas norte-americanas em queda porque o preço das commodities subiu com os temores de um conflito entre China e Taiwan, o que beneficiou ações de mineradoras e de siderúrgicas. Um possível estímulo do Banco Central chinês ao setor de construção civil beneficiou as cotações do ferro e do aço.

As ações de bancos também subiram na véspera da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central brasileiro. Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal do Banco Central com instituições financeiras, o Copom deve elevar a taxa Selic (juros básicos da economia) de 13,25% para 13,75% ao ano.

*Com informações da Reuters

Original de Agência Brasil

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil