Varíola dos Macacos: casos crescem no país e causa preocupação

Número de casos no país estão aumentando e preocupa a OMS

Compartilhe
PUBLICIDADE

Há dois anos, a humanidade se deparou com o desconhecido coronavírus (causador da Covid-19) que se espalhou rapidamente por todo o planeta. Agora, em 2022, a Terra ainda não conseguiu se imunizar da Covid-19 e outra doença causa medo e preocupação: a varíola dos macacos (monkeypox).   

O Brasil já conta com 813 casos confirmados da doença, segundo dados do Ministério da Saúde até o dia 26 de julho. Por isso, a líder técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a doença, Rosamund Lewis, disse que a situação no país “é muito preocupante” e que os casos podem não estar sendo todos notificados por não haver testes suficientes à disposição.

A doença ainda não tem um medicamento que leve até a cura. No sábado (23), o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou que a varíola dos macacos configura emergência de saúde pública de interesse internacional.

Em uma nota divulgada pelo Ministério da Saúde destaca que a doença é prioridade para a pasta, que faz constante monitoramento e analisa a todo momento a situação epidemiológica para definir orientações e ações de vigilância e resposta à doença no país. 

Três tipos de Vacinas

A doença não tem uma vacina específica, mas as vacinas desenvolvidas contra a varíola humana ajudam a proteger contra ela.

Atualmente, existem 3 vacinas contra a doença: uma usada no Canadá, nos Estados Unidos e na União Européia (MVA-BN, do laboratório Bavarian Nordic), uma que só está aprovada nos Estados Unidos (ACAM2000) e uma terceira, desenvolvida no Japão, que pode ser aplicada em crianças (LC16).

Negociações estão sendo feitas de forma global com para a aquisição de vacinas para ampliar o acesso ao imunizante para os países com casos confirmados.

O que é a Varíola dos Macacos?

A varíola é causada pelo vírus hMPXV (Human Monkeypox Virus, na sigla em inglês) provoca uma doença mais branda do que a varíola smallpox, que foi erradicada na década de 1980. 

Trata-se de uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada e com lesões de pele. O contato pode ser por abraço, beijo, massagens ou relações sexuais. A doença também é transmitida por secreções respiratórias e pelo contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies utilizadas pelo doente.

O maior risco de agravamento acontece, em geral, para pessoas com HIV/AIDS, leucemia, linfoma, metástase, transplantados, pessoas com doenças autoimunes, gestantes, lactantes e crianças com menos de 8 anos de idade.

Quais são os sintomas da Varíola dos Macacos?

Os primeiros sintomas podem ser febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios ou cansaço. De um a três dias após o início dos sintomas, as pessoas desenvolvem lesões de pele, geralmente na boca, pés, peito, rosto e ou regiões genitais.

Como se prevenir da Varíola dos Macacos?

Para a prevenção, deve-se evitar o contato próximo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado, assim como com qualquer material que tenha sido usado pelo infectado. Também é importante a higienização das mãos, lavando-as com água e sabão ou utilizando álcool gel.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil