Vínculo trabalhista: veja as consequências da quebra de contrato

Compartilhe
PUBLICIDADE

Previsto na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), o contrato de trabalho é a principal obrigação que deve ser seguida pelas empresas que fazem a contratação de colaboradores.

Através desse documento, são definidas todas as obrigações e acordos entre o empregador e novo contratado.

Mas o descumprimento de qualquer uma dessas regras, resulta na quebra do contrato de trabalho.

Por isso, a legislação determina os direitos e deveres das partes e que também devem ser conhecidas pelo Departamento Pessoal, visto que existem diferentes circunstâncias. 

Por isso, hoje vamos te contar o que é a quebra de contrato de trabalho que se trata de um acordo correspondente à relação de emprego.

Então acompanhe e veja quais são as consequências desta decisão.

Quando ocorre?

Destacamos que a quebra do contrato de trabalho é caracterizada pelo descumprimento de qualquer uma das cláusulas firmadas no acordo trabalhista. Isso resulta em multas e até rescisão.

demissão

Desta forma, é importante saber que a quebra do contrato de trabalho que motiva a rescisão ocorre tanto com a justa causa, se o trabalhador cometer uma falha grave, podendo estar relacionadas à seguintes situações:

  • Descumprimento da jornada de trabalho; 
  • Indisciplina;
  • Atos de insubordinação no ambiente de trabalho; 
  • Ofensas a colegas de trabalho; etc. 

Temos ainda a rescisão indireta, que normalmente acontece quando a empresa descumpre o que foi acordado. Nesse caso veja algumas situações que podem motivar esta rescisão: 

  • Atrasos de salários; 
  • Exigência para que o profissional exerça funções que estão fora da sua função;
  • Cobranças excessivas;
  • Agressões físicas;
  • Agressões verbais, etc. 

Consequências 

Diante da quebra contratual, a empresa e o Departamento Pessoal devem estar atentos às consequências que essa decisão pode gerar, considerando os dois tipos de rescisão. Veja a seguir as principais consequências: 

Justa causa: se quebra partiu do empregado, a empresa deve pagar as férias vencidas mais ⅓  e o salário dos dias trabalhos, no entanto, o colaborador não terá direito ao seguro desemprego, além do FGTS (fundo de Garantia Por Tempo de Serviço);

Rescisão indireta: neste caso, a empresa deve pagar os seguintes direitos ao trabalhador: 

  • salário;
  • Férias vencidas ou proporcionais, com o adicional de ⅓ ;
  • 13º proporcional;
  • Multa de 40% sobre o FGTS;
  • Aviso prévio;
  • Seguro-desemprego; 

Vale lembrar que a empresa também pode ter que pagar uma indenização por danos morais, se o trabalhador acionar a Justiça.

Mas atenção: a quebra de contrato sofreu mudanças devido à pandemia que motivou a suspensão de contrato de trabalho em 2020 através do BEm, programa que permite a redução de salário e jornada proporcionalmente.

Para este ano, a prorrogação da medida está sendo organizada e viabilizada pelo governo federal. 

Somente através desse programa, as empresas podem, legalmente suspender, individualmente, os contratos, assim como reduzir salários e a jornada de trabalho. 

Dica Extra do Jornal Contábil: Você gostaria de trabalhar com Departamento Pessoal?

Já percebeu as oportunidades que essa área proporciona?

Conheça o programa completo que ensina todas as etapas do DP, desde entender os Conceitos, Regras, Normas e Leis que regem a área, até as rotinas e procedimentos como Admissão, Demissão, eSocial, FGTS, Férias, 13o Salário e tudo mais que você precisa dominar para atuar na área.

Se você pretende trabalhar com Departamento Pessoal, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um profissional qualificado.

Por Samara Arruda

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação