var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "2", c2: "14194541" }); (function() { var s = document.createElement("script"), el = document.getElementsByTagName("script")[0]; s.async = true; s.src = (document.location.protocol == "https:" ? "https://sb" : "http://b") + ".scorecardresearch.com/beacon.js"; el.parentNode.insertBefore(s, el); })();

Analise de concessão de crédito diferenciada pode ajudar na redução da inadimplência

A cultura da concessão de crédito no Brasil se desenvolveu em torno das informações negativas sobre o cliente

Compartilhe
PUBLICIDADE

Apesar de as projeções para o mercado de crédito no Brasil terem registrado uma melhora expressiva para 2023, a questão da inadimplência segue cada vez mais preocupante para a indústria financeira. De acordo com a a Pesquisa FEBRABAN de Economia Bancária e Expectativas, a expansão da carteira total de crédito subiu de 6,9% para 8,0% em 2023. Por outro lado, estudos como a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e trabalhos como os publicados recentemente pela Serasa Experian revelam dados como a existência de aproximadamente 80% da população endividada, com quase 67 milhões de pessoas com dívidas em atraso no Brasil.

O assunto é considerado tão estratégico para as pretensões de crescimento econômico do país que foi alvo inclusive de promessas de campanha dos candidatos na última eleição presidencial. Com a conhecida superficialidade de quem parece ter todas as respostas quando está do lado de fora, mas sem a necessária ligação com a realidade de quem tem a responsabilidade de tomar decisões, alguns candidatos apresentaram soluções aparentemente fáceis para solucionar o problema de uma hora para outra, como num passe de mágica.

Ocorre que o passado econômico do Brasil registra dramas como a hiperinflação que servem para lembrar que mágicas não existem neste setor. Desta forma, resta apostar todas as fichas nas alternativas que efetivamente tiveram resultado no passado que são o uso intensivo de tecnologia e muita criatividade.

Neste sentido, o primeiro passo é levar em conta que o aumento da vulnerabilidade financeira causada pela pandemia colocou um contingente imenso de pessoas na necessidade de lutar para atender às necessidades financeiras básicas. Para se adaptar a este cenário, os modelos de risco de crédito estão mudando fundamentalmente. De acordo com o Gartner, os provedores estão adotando critérios mais holísticos para avaliar os clientes além dos fatores financeiros. Uma das consequências é o uso de IA e outras tecnologias para complementar os novos modelos de risco de crédito.

Pela falta de instrumentos mais abrangentes como o Cadastro Positivo e o Open Banking que somente em 2022 começaram a se consolidar, a cultura da concessão de crédito no Brasil se desenvolveu em torno das informações negativas. Significa que ao buscar referências para tomar a decisão sobre a concessão ou não do empréstimo, as empresas se baseavam apenas na inadimplência, ou seja; se o consumidor já havia deixado de pagar alguma conta, por quanto tempo e de qual valor.

Com esses novos instrumentos e as tecnologias emergentes, agora as empresas têm condições de levar em conta também as informações positivas.

Ou seja; o consumidor pode se beneficiar ao fornecer informações sobre suas compras bem-sucedidas. Mesmo que tenham ocorrido transações informais, ou seja, sem registro no sistema financeiro, pagas com dinheiro em espécie, por exemplo, o consumidor tem vantagem em informar sobre a ocorrência destas operações pois isso ajudará a instituição financeira a saber que ele tem condições de arcar com as despesas até determinado nível e que tem a responsabilidade social suficiente para arcar com seus compromissos.

A lógica da concessão de crédito se baseia em observar o passado, considerar o presente e projetar o futuro. Desta forma, parcelamentos longos e de valores altos, indicam que o cliente tem a estabilidade suficiente para arcar com despesas de um nível mais elevado por um tempo maior.  Este tipo de cliente é quase sempre considerado um cliente preferencial para o produto crédito e tende a receber as melhores notas nos scores. Mas, novamente, o que o consumidor deve ter em mente é que atualmente as empresas concessoras de crédito têm condições de avaliar todo tipo de operação. Então, quanto mais informações o cliente fornecer em termos de seu comportamento de consumo e crédito, melhores serão suas chances de obter classificações mais elevadas nos scores.

O Gartner salienta que alguns bancos agora avaliam os clientes com base em seus perfis de mídia social. Ao analisar os perfis dos clientes em plataformas como Linkedin e Facebook, os bancos podem avaliar as características dos clientes, como fidelidade à marca, confiabilidade, consciência, ética de trabalho e relacionamentos com amigos e familiares.

Certamente a condição financeira e dívidas não quitadas continuarão exercendo grande relevância na análise de risco de crédito, mas a ampliação das formas de análise permitirá que, aos poucos, a concessão de crédito seja ajustada segundo as reais possibilidades de cada tipo de consumidor.

Desta forma, a médio e longo prazo é possível esperar que os índices de inadimplência sejam reduzidos e a expectativa positiva deste indicador siga na direção positiva das projeções para a concessão de crédito.

Por Fernando Guimarães é CEO da Stone Age

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil