var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "2", c2: "14194541" }); (function() { var s = document.createElement("script"), el = document.getElementsByTagName("script")[0]; s.async = true; s.src = (document.location.protocol == "https:" ? "https://sb" : "http://b") + ".scorecardresearch.com/beacon.js"; el.parentNode.insertBefore(s, el); })();

Janeiro Roxo: Alerta sobre o aparecimento de casos de Hanseníase

Campanha chama a atenção para casos graves da doença, que tem tratamento gratuito pelo SUS. Se não curada, pode deixar sequelas na pele

Compartilhe
PUBLICIDADE

A hanseníase é uma das doenças mais antigas da humanidade, com relatos de casos desde 600 a.C.. Apesar disso, ela ainda é um grave problema de saúde pública, especialmente no Brasil. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o país possui a maior carga dessa enfermidade na América e a segunda maior no mundo (ficando abaixo somente da Índia). Ao todo, de 2016 a 2020, foram diagnosticados 155,3 mil casos – dos quais 19,9 mil com grau 2 de incapacidade física, que é o mais grave. 

Para a dermatologista Priscila Chaves, a hanseníase tem um quadro preocupante no Brasil. “E a tendência é piorar, caso não tenhamos medidas de saúde pública eficientes, que proporcione o tratamento precoce dos doentes. Só assim conseguiremos controlá-la e evitar as sequelas, que muitas vezes são incapacidades neurológicas nos membros, que limitam a pessoa de exercer suas atividades diárias, podendo levar a invalidez”, salienta.

Leia também: INSS: Conheça os direitos previdenciários para quem sofre de hanseníase

A doença, que já foi chamada de lepra, foi renomeada devido ao estigma associado ao termo. A hanseníase é causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae, também conhecida como bacilo de Hansen, que afeta principalmente nervos periféricos e a pele. As complicações da enfermidade podem levar a incapacidades físicas, principalmente nas mãos, pés e nos olhos. O Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase é sempre no último domingo de janeiro, mês que ganha a cor roxa para alertar sobre o tema.

Para a OMS, a hanseníase é uma doença negligenciada e a especialista do Órion Complex aponta os motivos. “Por ser contagiosa, é muito presente na população mais carente e em famílias que convivem com muitas pessoas aglomeradas na mesma casa. É preciso investimentos públicos em saúde e melhoria das condições sociais. A OMS considera que a doença está alastrada devido a falta de atenção das autoridades quanto a essa situação. A aplicação de verbas adicionais pode salvar vidas e  acabar com o sofrimento”.

Sintomas

Priscila Chaves detalha quais sinais as pessoas devem se atentar sobre a hanseníase. “O mais frequente é o aparecimento de manchas únicas ou múltiplas na pele, com alteração de sensibilidade. Inchaço nas mãos e pés e dormência ou dor nas extremidades também acontece muito. Outros sintomas são: alteração ou perda da sensibilidade ao calor e ao frio, fraqueza muscular dos membros, obstrução nasal persistente e até alteração da visão. É comum que as pessoas com hanseníase não sintam queimar a pele no fogão, percam o chinelo ao caminhar, tropeçam frequentemente e machuquem o pé no calçado sem perceberem”, detalha a dermatologista..

Leia também: Comissão aprova pensão para filhos afastados de pais vítimas de hanseníase antes de 1986

Contudo, a doença tem cura. “Se a pessoa completa todo o esquema de tratamento com comprimidos, conforme proposto pelo médico de acordo com cada caso, ela é curada. As cartelas do medicamento são oferecidas gratuitamente pelo SUS nos postos de saúde, assim como todo o acompanhamento, consultas e exames. Caso tenha demorado a procurar ajuda e tenha ficado alguma sequela, ele precisará de reabilitação, também oferecida pelo SUS”, detalha a especialista.

O preconceito em relação à hanseníase ainda existe, mas a médica diz que isso vem diminuindo com o passar do tempo. “Com o  melhor conhecimento sobre a transmissão, que só se pega após um contato muito próximo e frequente (ou seja, pessoas do convívio diário), começou a desmistificar a hanseníase. Outro fato importante é que com o tratamento precoce e disponível no SUS reduziu-se muito o número de sequelas graves. A doença não é só dos mais pobres, pode acontecer em qualquer pessoa. Por isso é importante orientar toda a população”, ressalta Priscila Chaves.  

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação

Jornal Contábil