19°C 28°C
Uberlândia, MG

Seis passos para sua empresa não precisar de Turnaround este ano!

Seis passos para sua empresa não precisar de Turnaround este ano!

10/01/2023 às 06h14 Atualizada em 10/01/2023 às 09h14
Por: Leonardo Grandchamp
Compartilhe:

Manter uma empresa no caminho do crescimento é uma tarefa árdua que demanda conhecimento, dedicação e principalmente decisões assertivas e racionais no momento certo. O adiamento na mudança de rota ou aquele famoso empurrãozinho dos problemas para debaixo do tapete pode fazer com que o executivo demore a perceber que o faturamento está cada vez mais baixo, o lucro deixou de existir e a insatisfação de clientes e funcionários está cada vez maior; como consequência, dívidas se avolumando e o começo de um cenário que leva muitas empresas a terem a falência decretada.   

Continua após a publicidade

De acordo com Serasa Experian, desde o início da pandemia, o número de empresas que decretaram falência nos primeiros oito meses deste ano atingiu o maior patamar da história. De janeiro a agosto foram 474 falências decretadas, 9% mais que nos oito primeiros meses de 2021 e 1,5% acima do mesmo período de 2020. No Brasil, há uma particularidade entre os gestores que costumam insistir até o último segundo na tentativa de salvar o negócio sem buscar ajuda externa especializada, o que fazem apenas quando já há uma situação de pré-falência instalada.

Segundo Max Mustrangi, sócio fundador da Excellance - Gestão de Turnaround e Reestruturação - há muitas empresas estagnadas no Brasil, contudo, continuam passivas buscando nos fatores macroeconômicos a explicação para os maus resultados. “Não faz sentido que um negócio que está correndo risco de entrar em falência pense em objetivos de médio ou longo prazo, os empresários pecam quando tomam decisões tardias para efetuar essas mudanças estruturais. É como quando ficamos doentes: quanto mais protelamos o tratamento, pior a evolução da doença, mais dura será a recuperação e maior será o risco de continuidade tal qual em um negócio”, compara.

Leia também: Veja cinco motivos para apostar no planejamento financeiro empresarial

O especialista que trabalha no modelo de gestão interina assumindo a gestão como um todo com um time de especialistas de primeira linha, destaca alguns pontos de alerta que podem evidenciar a necessidade de um turnaround,  entre eles, a perda de participação no mercado, aumento do endividamento, queda da rentabilidade, redução do caixa,  aumento recorrente da necessidade de financiamentos, rejeição por parte dos consumidores, alto “turnover” dos executivos,  queda da satisfação dos clientes, aumento de reclamações de mercado, e  prejuízos  frequentes que vão castigando a  condição financeira da empresa. 

Continua após a publicidade

Para não tomar decisões tardias, Max Mustrangi destaca seis passos que devem ser analisados na sua empresa antes de uma possível crise, veja:

Busque sempre realizar um diagnóstico da situação atual da sua empresa

Para Mustrangi, os empresários devem sempre se questionar sobre o caminho que a companhia está seguindo. Mapeie desde as fragilidades a causas subjacentes da sua empresa, e entenda por que ela vai mal. Feito isso, aceite o problema (caso exista), livre-se das culpas, tome decisões assertivas e aceite soluções novas sempre pautadas na razão, aconselha o especialista. 

Corrija erros da companhia

Faça um levantamento rigoroso de todos os setores da companhia, assim ficará mais fácil identificar quais são os pontos de melhoria que precisam ser aplicados em cada setor. Max explica que isso melhora os processos de forma geral. Uma vez que o gestor identificou o que realmente precisa de atenção para mudar de rumo da empresa, ele não perderá tempo com outras demandas.

Leia também: Contabilidade Beneficia Gestão de Empresas

Continua após a publicidade

Reduza custos e estruturas sem medo 

Após identificar os gargalos, elimine o que não agrega valor e enxugue gastos desnecessários. Nesse cenário, às vezes é preciso dispensar colaboradores com baixo desempenho, reduzir estruturas  organizacionais, livrar-se de unidades de negócios não rentáveis ou que não tenham alinhamento com o core Business, terceirizar setores, reverter terceirizações, entre tantos outros. Lembre-se, o foco neste momento é manter a empresa viva.

Separe o pessoal do empresarial

Esse é um dos maiores desafios, mas para sua empresa manter-se em destaque no mercado, é importante que as emoções fiquem um tanto de lado para que o executivo possa tomar decisões impopulares. Isso porque desligamento de pessoas, downsizing da empresa e eliminação de projetos acabam sendo postergadas, quase sempre por questões emotivas. As lideranças não gostam de se indispor com a organização e seguem com isso para preservar o status quo em troca de um pseudo rede de segurança pessoal em detrimento da saúde do negócio. 

Faça plano de negócios direcionado ao caixa e foque nele 

Mustrangi alerta que é importante garantir que o caixa da empresa exiba resultados positivos. “Se a empresa está quebrando, o esforço de caixa tem que ser direcionado para manter a empresa viva, eliminando tudo o que não agrega valor e que não ajuda na geração de caixa no curto prazo”, explica.    

Para isso, é possível fazer um plano de negócios direcionado ao caixa, assim o empresário consegue eleger prioridades de pagamento com o foco em manter a empresa de pé. “O fluxo de caixa é um processo de gestão que demonstra a soma das suas entradas (ganhos) e saídas (despesas/custos) em um período. Quando você usa seu fluxo de caixa como uma ferramenta de gestão, antecipando furos ou desencaixes de caixa, você antecipa períodos e/ou impasses na sua empresa com tempo hábil para buscar alternativas, dado que o tempo é finito e sempre cobra a sua conta”, resume.

Mensure os resultados

Sempre que fizer análises e mudanças na sua empresa, certifique-se que as medidas tomadas estão sendo eficazes em levar a companhia a um caminho diferente do qual se encontrava. Para não correr esse risco, é necessário acompanhar as métricas, metas, indicadores de desempenho e todos os dados que certifiquem que as mudanças estão impactando positivamente no negócio, caso contrário, você precisará tomar medidas mais rigorosas. Ainda nesse cenário, é fundamental o envolvimento de todos nesse processo. Fomentar a cultura de transparência e de propósito no time é essencial para o xeque-mate de possíveis crises.

Leia também: Planejamento Financeiro Empresarial: Veja como fazer de forma eficiente!

Por fim, se o executivo não enxergar saída ou se tiver dificuldades em tomar decisões racionais ou continua apegado à gestão antiga, chegou o momento de acionar um profissional de turnaround imediatamente. Só assim, será possível se desprender de processos equivocados e colocar a empresa de volta no caminho do crescimento sustentado,” conclui Max Mustrangi.  

Por Max Mustrangi, Com vasta experiência na Gestão de Negócios em diversos setores da economia, Max Mustrangi é sócio fundador da Excellance, uma boutique de Gestão especializada na Recuperação da Performance Financeira, Mercadológica, Operacional e Estratégica de empresas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Uberlândia, MG
20°
Tempo limpo

Mín. 19° Máx. 28°

20° Sensação
4.12km/h Vento
83% Umidade
16% (0mm) Chance de chuva
06h23 Nascer do sol
06h01 Pôr do sol
Qua 29° 20°
Qui 28° 21°
Sex 27° 19°
Sáb 28° 18°
Dom 28° 21°
Atualizado às 06h08
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,19 -0,03%
Euro
R$ 5,51 -0,03%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,46%
Bitcoin
R$ 347,684,27 +0,75%
Ibovespa
125,333,89 pts -0.49%