Previsão de déficit primário em 2023 se eleva para R$ 203,4 Bi

Compensação a estados e piso da saúde justificam elevação

Compartilhe
PUBLICIDADE

A projeção de encerrar o ano com um déficit primário em torno de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) não será concretizada. O Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, documento que orienta a execução do Orçamento a cada dois meses, revisou para R$ 203,4 bilhões a estimativa de déficit primário para este ano, equivalente a 1,9% do PIB. Esse ajuste ocorre devido às pressões nas contas do governo, principalmente relacionadas à compensação a estados e à recomposição do piso da saúde.

No relatório anterior, divulgado em setembro pelos Ministérios da Fazenda e do Planejamento, a previsão de déficit primário estava em R$ 141,4 bilhões. Essa avaliação leva em consideração o critério “abaixo da linha”, utilizado pelo Banco Central, o qual é relevante para o cumprimento das metas fiscais estabelecidas pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Leia também: Economia: Fazenda Diminui Previsão Oficial De Crescimento Do PIB

Para o exercício de 2023, a LDO estabelece uma meta de déficit primário de R$ 231,5 bilhões, mas o valor efetivo é reduzido para R$ 213,6 bilhões, após algumas compensações da União acordadas com o Supremo Tribunal Federal (STF).

Fatores

Três fatores fundamentais contribuíram para o aumento na estimativa do déficit primário. O primeiro deles foi a implementação da Lei Complementar 201/2023, que adiantou a compensação de R$ 16,3 bilhões para estados e municípios, com o intuito de compensar as perdas relacionadas à redução do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis e à diminuição nos repasses do Fundo de Participação dos Estados e dos Municípios.

Leia também: Economia Fica Estagnada No 3º Trimestre, Aponta FGV

O segundo fator foi o dispêndio de R$ 4,3 bilhões destinados à recomposição do piso da saúde. Com a sanção do novo arcabouço fiscal, a fórmula de cálculo voltou a ser baseada em 15% da receita corrente líquida, em conformidade com o modelo vigente antes da adoção do teto de gastos.

Inicialmente, o déficit poderia atingir R$ 21 bilhões, mas uma emenda à Lei Complementar 201/2023, proposta pelo líder do PT na Câmara, Zeca Dirceu (PT-PR), reduziu essa diferença para R$ 4,3 bilhões.

De acordo com a emenda, o montante utilizado para calcular os 15% da Receita Corrente Líquida incide sobre as receitas aprovadas no Orçamento de 2023, não sobre as estimativas atualizadas a cada dois meses pelo Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas. Isso resultaria em cerca de R$ 172 bilhões, em vez dos R$ 189 bilhões.

O governo aguarda ainda o desfecho de uma consulta ao Tribunal de Contas da União (TCU) para postergar a vigência do novo cálculo para 2024.

Fundo do PIS/Pasep

Os dois primeiros elementos conduziriam a projeção do déficit primário para R$ 177,4 bilhões (1,7% do PIB). Já o terceiro fator que impulsionou a estimativa além dos R$ 200 bilhões foi a exclusão de R$ 26 bilhões provenientes de recursos retidos no antigo fundo PIS/Pasep do cálculo das receitas. Ainda que a Emenda Constitucional da Transição tenha facultado ao governo a apropriação dessa receita, o Banco Central a considera como receita financeira, não primária.

Devido ao critério adotado para avaliar o cumprimento da meta de resultado primário, seguindo a metodologia do Banco Central (BC) “abaixo da linha”, os Ministérios da Fazenda e do Planejamento optaram por excluir esses R$ 26 bilhões do relatório.

Compensações

No início do ano, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, havia projetado um déficit em torno de R$ 100 bilhões para o encerramento de 2023. De acordo com o secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, além do piso da saúde e da compensação aos estados e municípios, quatro fatores influenciaram as estimativas de déficit primário.

O primeiro foi a queda de R$ 9 bilhões na arrecadação federal, decorrente da desvalorização do dólar e da redução da inflação. A diminuição nos preços de mercadorias afeta a arrecadação de tributos vinculados diretamente ao consumo. Ceron esclarece que os R$ 9 bilhões referem-se exclusivamente à revisão da estimativa de receitas para os últimos dois meses do ano, enquanto o impacto total do câmbio e da queda da inflação em 2023 alcança R$ 25,6 bilhões.

O segundo fator foi a redução na estimativa de depósitos judiciais da Caixa Econômica para o Tesouro Nacional. A demora na transferência dos recursos resultará numa queda de R$ 12,6 bilhões, passando de R$ 5 bilhões para este ano, com o restante sendo alocado para 2024.

Além disso, o governo provavelmente encerrará o ano com perdas próximas a R$ 130 bilhões em relação a compensações tributárias, que consistem em descontos no pagamento de tributos futuros de valores que foram pagos a mais no passado. A primeira refere-se à compensação de R$ 80 bilhões relacionada a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que excluiu o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

A segunda compensação tributária está relacionada a R$ 46 bilhões em descontos de subvenções (assistência financeira) do ICMS no pagamento do Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Ceron destaca que “são dois eventos de 2017 que estão impactando na arrecadação deste ano”.

Receitas e gastos

Esses elementos resultaram na redução de R$ 22,2 bilhões na previsão total de receitas primárias da União. Em contrapartida, a estimativa de despesas primárias foi elevada em R$ 21,9 bilhões, sendo impulsionada principalmente pela assistência a estados e municípios, bem como pela recomposição do piso da saúde.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação