Revisão da vida toda pode aumentar a aposentadoria em até seis vezes

0

A revisão da vida toda se trata de um processo judicial em que o segurado, ou até mesmo aquele que já é aposentado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) recorre à Justiça para requerer o aumento no valor do benefício ou da aposentadoria.

Os debates sobre os respectivos aumentos são constantes no Judiciário, e em determinados casos, os solicitantes conseguiram até 500%, porém, o resultado irá depender do caso concreto. 

A revisão da vida toda é recomendada para os segurados do INSS que foram contemplados com a aposentadoria após o dia 29 de novembro de 1999, cujas contribuições tenham sido feitas antes de julho de 1994. 

No mês de maio de 2020, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) admitiu o recurso extraordinário e determinou a suspensão de todos os processos que versem sobre a revisão da vida toda, e que se encontram em trâmite por todo o território nacional.

O recurso também contempla aqueles que encaminharam o caso para o Supremo Tribunal Federal (STF), o que quer dizer que, nenhum processo que tratar sobre a revisão da vida toda, poderá ser julgado até a decisão do STF. 

Conforme mencionado, o modelo anterior é bem mais benéfico para o segurado, tendo em vista que em determinados casos, os trabalhadores tiveram os maiores salários antes de julho de 1994, ou seja, antes do Plano Real. 

Assim, com a revisão da vida toda, aqueles aposentados que antes recebiam R$ 1.045,00, passaram a receber o teto de R$ 6.101,06 do INSS.

Observando o êxito de uma parcela dos segurados, vários outros buscaram pelo auxílio de advogados para dar entrada na revisão, entretanto, como o número foi bastante alto, as ações começaram a chegar ao STJ, que se posicionou a favor dos segurados.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) / Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Contudo, o INSS não concordou com os pareceres e requereu ao STJ o envio do caso para o STF, de maneira que o tema realmente foi encaminhado para a Suprema Corte e aguardado o debate, suspendendo todas as ações que tramitam pelo país. 

Porém, diante desta suspensão surge o questionamento, “ainda vale a pena entrar com este tipo de ação”?

A resposta é, sim! 

Considerando que neste modelo de ação os segurados têm direito a solicitar o ressarcimento das diferenças dos últimos cinco anos retroativos, é possível concluir que a cada mês que se passa sem ingressar com nenhuma ação, o segurado tem um mês a menos para receber.

É necessário ser um especialista na área para aproveitar a oportunidade?

Não, pois um advogado de qualquer segmento, até mesmo os recém-formados podem obter ganhos dessa ação, que é reconhecida como uma das mais rentáveis da área, basta obter o conhecimento e as ferramentas adequadas.

Valor final a ser recebido

O valor a ser pago irá depender do cálculo realizado em cada caso analisado, entretanto, não é raro clientes terem um incremento na aposentadoria de até R$ 1.200,00 ao mês, junto com valores na faixa de R$ 45 mil, a título de pagamentos retroativos.

Dica Extra do Jornal Contábil: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social. 

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana? Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. 

Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Por Laura Alvarenga