Alíquota do ISS do optante do Simples Nacional – De acordo com as regras vigentes a partir de 2018 quanto à forma de cálculo da alíquota do Simples Nacional, trazidas pela Lei Complementar nº 155/2016, que alterou a Lei Complementar nº 123/06, não existe mais os percentuais fixos variando de acordo com a faixa de Receita Bruta Acumulada nos últimos 12 meses. Desde o início do ano passado, o contribuinte deve realizar o cálculo através da seguinte fórmula:

Alíquota efetiva do Simples Nacional = (RBT12 x Aliq-PD) / RBT12 

RBT12: receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao período de apuração;

Aliq: alíquota nominal constante dos Anexos I a V da Lei Complementar;

PD: parcela a deduzir constante dos Anexos I a V da Lei Complementar.

Em se tratando de empresa prestadora de serviço, após descobrir a sua alíquota total do Simples, que pode variar mês a mês, já que o cálculo leva em conta os faturamentos nos 12 meses anteriores ao da apuração, ainda é preciso realizar outro cálculo utilizando a segunda parte do anexo III, IV ou V para descobrir a alíquota efetiva do imposto municipal.

Este procedimento se torna importante na medida em que o optante do Simples Nacional precisa discriminar a sua alíquota efetiva do ISS nas notas fiscais, na hipótese de sofrer a retenção na fonte.

Ocorre que, após as alterações citadas, alguns contribuintes perceberam que a alíquota do ISS podiam ser inferiores a 2%, o que levou ao surgimento do seguinte questionamento: as alíquotas do ISS do optante do Simples Nacional podem ser inferiores ao mínimo estabelecido na Lei Complementar nº 116/2003?

Para que se possa entender melhor a forma de cálculo e o problema aqui proposto, vejamos esta situação hipotética:

Suponhamos que uma oficina mecânica de veículos, tributada na segunda faixa do Anexo III, tenha obtido o faturamento de R$ 185.000,00 (cento e oitenta e cinco mil reais) nos meses de junho de 2018 a maio de 2019. Ao aplicarmos a fórmula para encontrar a alíquota da tributação geral sobre esse faturamento, encontraremos o seguinte percentual:

Alíquota efetiva do Simples Nacional = (R$ 185.000,00 x 11,20% – R$ 9.360,00) / (R$ 185.000,00) = 

(R$ 11.360,00) / (R$ 185.000,00) = 0,061 = 6,1%

A alíquota de 11,20% é aquela encontrada no Anexo III para o faturamento indicado e a parcela a deduzir pode ser vista no respectivo campo do referido anexo.

Assim, encontrada a alíquota geral de tributação, podemos obter o percentual de ISS, que, segundo o complemento do Anexo III, compõe 32% dos 6,1%. Fazendo os cálculos, obtemos o seguinte percentual de ISS:

6,1% x 32% = Percentual do ISS dentro da alíquota total do Simples Nacional = 1,96%

Como se percebe no resultado da equação, a alíquota do ISS é inferior ao limite mínimo permitido pela LC 116/03, e este mesmo problema aparece também em alguns outros cálculos.

Por essa razão, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), órgão de representação judicial e extrajudicial da União em matéria tributária, foi questionada duas vezes quanto ao assunto e emitiu pareceres conflitantes sobre o tema.

No primeiro parecer, defendeu a tese de que a alíquota do ISS dos optantes do Simples Nacional deve respeitar o limite mínimo de 2%, conforme imposição da Lei Complementar nº 116/03.

Entretanto, contradizendo seu próprio entendimento, a PGFN, alguns meses depois, emitiu outro parecer no sentido de que os dispositivos da lei do Simples Nacional de que resultem percentuais efetivos de ISS inferiores a 2% continuam aptos a produzir efeitos, sob o fundamento do princípio da especialidade da norma.

Segundo o órgão, a Lei Complementar nº 123/2006 tem caráter especial em relação à Lei Complementar nº 116/2003, que regulamenta o ISS.

Apesar de não haver consenso ainda quanto ao assunto, nosso entendimento é no sentido de que é possível a aplicação da fórmula prevista na lei do Simples Nacional, desde que sejam respeitados os limites mínimo e máximo de 2% e 5% trazidos pela Lei Complementar nº 116/03. A referida lei complementar tem a finalidade de regular os aspectos gerais relacionados ao ISS.

Se nos valermos de uma interpretação sistemática da lei do Simples Nacional, não fica clara a intenção do legislador em querer beneficiar os optantes do regime com uma alíquota inferior a 2%. Pelo contrário, no art. 21, § 4º, II, da LC nº 123/06, percebe-se a intenção do legislador em manter o limite mínimo de 2% do ISS quando a empresa está em início de atividade. Vejamos:

“Art. 21. § 4º A retenção na fonte de ISS das microempresas ou das empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional somente será permitida se observado o disposto no art. 3º da Lei Complementar no 116, de 31 de julho de 2003, e deverá observar as seguintes normas:

(…)

II – na hipótese de o serviço sujeito à retenção ser prestado no mês de início de atividades da microempresa ou da empresa de pequeno porte, deverá ser aplicada pelo tomador a alíquota efetiva de 2% (dois por cento); (…)”

Assim, entendemos que a alíquota mínima de 2% do ISS deve ser observada pelos prestadores e tomadores de serviços, mesmo após a aplicação da fórmula para cálculo da alíquota do optante do Simples Nacional. No entanto, é importante que o legislador atue de forma a sanar, de uma vez por todas, esta dúvida.

DICA EXTRA: O primeiro passo para contadores

Atenção você contador ou estudante de contabilidade, o trabalho para seguir com sucesso na carreira profissional é árduo, inúmeros são os desafios que vamos precisar superar nessa jornada. Mas tenha em mente que o conhecimento é o maior bem que você pode ter para conseguir conquistar qualquer que seja os seus objetivos.

Exatamente por isso apresentamos para você o curso CONTADOR PROFISSIONAL NA PRÁTICA, curso este aprovado por inúmeros alunos e que vem gerando uma revolução no conhecimento e na carreira de profissionais contábeis.

O curso é sem enrolação, totalmente prático, você vai aprender todos os processos que um contador experiente precisa saber. Aprenda como abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs. Tenha todo o conhecimento sobre Contabilidade, Imposto de Renda e muito mais. Está é uma ótima opção para quem deseja ter todo o conhecimento que um bom contador precisa ter, quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade que com certeza vai impulsionar sua carreira profissional!

Conteúdo original Open Treinamentos

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.