Auxílio Emergencial não deve mais ser pago este mês

0

O ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou nesta sexta-feira (12) que a pretensão do governo é começar com os novos pagamentos do auxílio emergencial este mês de março, contudo, Guedes ressalvou que a primeira parcela pode acabar ficando para o mês de abril.

A previsão para realização dos pagamentos leva em consideração a promulgação da PEC Emergencial que está prevista para acontecer na próxima segunda-feira (15) no Congresso Nacional.

O texto promulgado permitirá que o governo possa gastar até R$ 44 bilhões fora do teto de gastos com a medida. Após promulgação da PEC, o governo deverá editar uma Medida Provisória com todas as parcelas, valores e critérios para a nova rodada de pagamentos.

“Acontecendo agora — estamos em meados de março —, queremos pagar ainda em março. Possivelmente, o pagamento caia em abril, mas é o pagamento já relativo ao mês de março”, afirmou o ministro, Paulo Guedes.

Com a aprovação do texto da PEC, que autoriza o auxílio, uma série de travas fiscais para evitar o descontrole das contas públicas foi criado. O ministro ainda afirmou que o Ministério da Economia, nunca foi contra a realização de novos pagamentos do auxílio emergencial, contudo, o período de pagamento dependia do debate político no Legislativo.

“Não acreditem na narrativa de que a Economia está contra o auxílio. É falsa a narrativa, é narrativa política. O auxílio emergencial não saiu antes porque a política é que tem o relógio. Quem manda e dá o ‘timing’ é a política, e só a política poderia nos autorizar”, disse durante transmissão na internet feita pelo site Jota.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal. / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Novidades

Confira todas as novidades que estão previstas na nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial bem como as confirmações realizadas pelo governo.

Novos valores

O ministro da Economia, Paulo Guedes já confirmou que o auxílio emergencial terá três novos valores que dependeram da composição familiar para determinar o quanto receber, onde famílias compostas por um único integrante vão receber R$ 175, famílias compostas por duas pessoas ou mais que é a grande maioria vai receber R$ 250 e famílias onde a mulher é o chefe do lar vão receber R$ 375.

Duração

Outra confirmação já realizada por parte do governo é de que a nova prorrogação será de quatro parcelas, inicialmente as parcelas seriam pagas entre março e junho, contudo, caso o primeiro pagamento fique para abril o calendário pode mudar.

Redução de beneficiários

No ano passado cerca de 68 milhões de pessoas tiveram acesso as parcelas do benefício, porém, para 2021 o número previsto está em torno de 40 a 46 milhões de pessoas.