Na manhã desta terça-feira, 15, o presidente Jair Bolsonaro se posicionou perante um noticiários que relatava a intenção do Governo Federal em congelar as aposentadorias no intuito de custear o programa Renda Brasil.

Na oportunidade, o presidente não apenas negou a atitude, como também, declarou encerrado o debate sobre a implementação do novo programa que substituiria o Bolsa Família, até 2022. 

“Até 2022, no meu Governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil.

Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, informou Jair Bolsonaro em uma das contas dele nas redes sociais. 

Renda Brasil 

O Renda Brasil se trata de um novo programa social em fase de elaboração pelo Governo Federal.

A intenção é que ele substitua o Bolsa Família, além de possibilitar a unificação de alguns outros programas assistenciais.

Bolsonaro
Bolsonaro cancela Renda Brasil

A proposta inicial para a coleta de dados dos cidadãos contemplados, seria utilizar as informações fornecidas no Cadastro Único (CadÚnico), no intuito de beneficiar as famílias de baixa renda em situações de vida vulneráveis. 

Outro objetivo do novo programa é, conseguir fazer uma maior captação de pessoas que necessitam do benefício, acima da quantidade atingida pelo auxílio emergencial disponibilizado em decorrência da pandemia da Covid-19.

Por outro lado, o programa estaria disponível somente para aqueles que estiverem inscritos no CadÚnico, pois seria o pré-requisito principal estipulado pelo Governo, permitindo a identificação do grupo beneficiado. 

As informações até o momento são de que o valor médio do benefício poderá ser de R$ 232, pouco acima dos R$ 190 pagos para as famílias contempladas pelo Bolsa Família.

Este novo valor médio seria distribuído em dois benefícios essenciais, sendo R$ 100 destinados à superação da pobreza, e outros R$ 100 que seriam pagos por cada criança da família com idade entre 0 a 15 anos. 

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-C), cerca de 53 milhões de brasileiros deveriam ser beneficiados pela nova proposta.

Deste total, 27 milhões poderiam receber o auxílio de forma integral.

A intenção era de que o programa fosse direcionado a famílias que apresentassem uma renda de até R$ 250 por pessoa, visando o recebimento do valor integral do benefício.

Em contrapartida, famílias com renda máxima de R$ 450 também poderiam ter acesso ao Renda Brasil.

Neste caso, seria disponibilizado apenas uma parte do benefício. 

Congelar aposentadorias, cortar auxílio para idosos e pobres com deficiência, um devaneio de alguém que está desconectado com a realidade.

Por Laura Alvarenga