Caixa Tem, atualização do app que recebe o Auxílio termina em 8 dias

0

Nesta terça-feira (23), a Caixa Econômica Federal iniciou a atualização dos dados cadastrais dos usuários do aplicativo Caixa Tem para os cidadãos que nasceram em junho. A atualização segue até o dia 31 e não é obrigatória.

O Caixa Tem é o aplicativo que a Caixa libera aos trabalhadores para que os mesmos possam ter acesso as contas digitais que são utilizadas para pagar diversos benefícios como a nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial, Benefício Emergencial (BEm), Bolsa Família, dentre outros programas de repasse de renda do governo.

Como dito, a atualização não é obrigatória e não tira o direito dos usuários de movimentarem seus benefícios, incluindo o Caixa Tem, outro detalhe importante é que a atualização do aplicativo não tem qualquer ligação com a liberação da nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial. O mesmo é apenas é utilizado como um canal de acesso dos trabalhadores ao saldo pago pelo governo.

Atualização e calendário

A atualização de dados do Caixa Tem está ocorrendo de forma escalonada, sendo liberado conforme o mês de nascimento do usuário. A atualização é para garantir mais segurança e agilidade nos serviços prestados pela Caixa Econômica Federal.

Veja o calendário para atualização do aplicativo Caixa Tem, conforme o mês de nascimento do usuário.

Nascidos emDevem atualizar dia
Janeiro14 de março
Fevereiro16 de março
Março18 de março
Abril20 de março
Maio22 de março
Junho23 de março
Julho24 de março
Agosto25 de março
Setembro26 de março
Outubro29 de março
Novembro30 de março
Dezembro31 de março

Na prática, a atualização faz o usuário aderir a uma poupança digital diferente, que recebeu o nome de “Cliente Top”. O usuário é obrigado a concordar com um termo de contrato antes de iniciar a atualização.

A Caixa ainda não divulgou quais serão os serviços oferecidos ao “Cliente Top” —o site do banco sequer menciona essa modalidade. Mas o UOL apurou que o foco será em microcrédito e seguros voltados ao público de baixa renda.

Na atualização, após declarar que concorda com os termos de adesão e assinalar a opção “Quero ser um Cliente Top”, o usuário precisa informar dados geralmente solicitados por bancos para oferecer linhas de crédito, como:

  • Nacionalidade
  • Endereço
  • Se trabalha e se tem carteira assinada
  • Renda mensal
  • Profissão
  • Patrimônio

Depois de confirmar os dados, o cliente precisa ainda enviar duas fotos. A primeira é de um documento de identificação (RG ou CNH). A segunda, uma “selfie” (foto do próprio rosto) em que a pessoa esteja ao lado do documento da foto anterior.

Fonte: Google
Fonte: Google

Regras do Auxílio Emergencial

Número de parcelas
Serão liberados quatro pagamentos. Os repasses estão previstos para começar em abril e terminar em julho

Valor
As parcelas variam de acordo com a formação familiar. O valor padrão é de R$ 250. Para mulheres chefes de família, o valor será de R$ 375. Pessoas que vivem sozinhas receberão R$ 150 por mês

Beneficiários
Governo estima que o benefício será pago a 45,6 milhões de famílias. São 28,6 milhões de pessoas que se cadastraram nas plataformas da Caixa, 10,7 milhões do programa Bolsa Família e 6,3 milhões do cadastro único de programas sociais

Quem pode receber
Trabalhadores informais com renda de até meio salário mínimo (R$ 550) por pessoa e renda familiar total de até três salários mínimos (R$ 3.300). Também é necessário cumprir critério de rendimento tributável máximo de R$ 28.559,70 em 2019 e de patrimônio máximo de R$ 300 mil

Quem não pode receber

  • Pessoas que recebem benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista, exceto Bolsa Família e abono salarial
  • Residentes médicos ou de outras áreas, beneficiários de bolsas de estudo e estagiários
  • Menores de 18 anos, exceto mães adolescentes
  • Presos em regime fechado
  • Pessoas residentes no exterior
  • Beneficiários do auxílio que não movimentaram valores da assistência em 2020 em sua conta digital Caixa ou que tiveram a assistência do ano passado cancelada

Limite por família
Programa permitirá que apenas uma pessoa por família receba o benefício. Em 2020, governo autorizou o pagamento para até duas pessoas por lar