Foi-se o tempo em que comprar no e-commerce era fonte de preocupação em grande parte da população brasileira. Prova disso é que o comércio eletrônico cresce a cada ano: apenas no primeiro semestre de 2019, movimentou R$ 35 bilhões, um crescimento de 16% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Mesmo assim, as lojas virtuais precisam ficar atentas a cada transação, pois os riscos continuam no processo de pagamento e é preciso oferecer o ambiente mais seguro possível para seus consumidores. Confira cinco dicas para minimizar essas ameaças:

1 – Utilize certificado de segurança

É um item praticamente obrigatório para a operação de qualquer e-commerce, dos pequenos aos grandes. Basicamente, consiste em uma tecnologia que protege as informações fornecidas pelos clientes na página, dificultando o trabalho de criminosos. A iniciativa também mostra ao visitante que a página e a navegação são seguras, auxiliando-o na tomada de decisão para concretizar a compra.

2 – Conte com um sistema de análise de risco

Nos últimos anos, tornou-se importante para o e-commerce contar com sistemas que analisam o nível de risco de seus consumidores. Isto é, comparam padrões de comportamento dos usuários, identificando possíveis discrepâncias, como localidade e valor médio gasto. É uma forma eficiente de minimizar as chances de prejuízo por conta de estelionatários.

3 – Escolha bem os intermediadores de pagamento

É essencial escolher bem os intermediadores de pagamento que irão operar em seu e-commerce. Tanto para garantir que todas as transações sejam concluídas sem desgaste para o consumidor, quanto para ser uma camada a mais de segurança em tentativas de fraudes. Afinal, essas empresas também analisam os riscos envolvidos antes de liberar o pedido.

4 – Atualize e cheque os dados cadastrais

A base de dados de seus clientes é um dos principais ativos do e-commerce, não apenas para gerar insights para campanhas, mas também para evitar fraudes. É essencial que todas as informações estejam atualizadas e completas, pois isso permite que a loja possa verificar se o consumidor que fez uma determinada compra suspeita é legítimo – além de permitir um futuro contato para comunicar a tentativa de fraude.

5 – Cruze as informações

Apesar dessa vantagem, o banco de dados cadastrais de seus clientes não pode ser a única fonte de informação para o e-commerce. A principal vantagem dos negócios digitais é a capacidade de cruzar dados para construir um perfil mais completo das pessoas. Isso é útil não só para o departamento de marketing e vendas, mas também para aumentar a segurança nas transações realizadas.

DICA EXTRA  DO JORNAL CONTÁBIL : MEI saiba tudo o que é preciso para gerenciar seu próprio negócio.  Se você buscar iniciar como MEI de maneira correta, estar legalizado e em dia com o governo, além de fazer tudo o que é necessário para o desenvolvimento da sua empresa, nós podemos ajudar. Já imaginou economizar de R$ 50 a R$ 300 todos os meses com contador e ainda ter a certeza que está fazendo suas declarações e obrigações de forma correta. E o melhor é que você pode aprender tudo isso em apenas um final de semana. Uma alternativa rápida e eficaz é o curso MEI na prática. Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que um MEI precisa saber para ser autônomo e nunca mais passar por dificuldades ao gerir o seu negócio. Quer saber mais? Clique aqui e mantenha sua empresa MEI em dia!

*Eduardo Fregonesi é CEO da Synpacom, empresa que oferece gestão personalizada para e-commerces com soluções em operação, pagamentos, tecnologia e marketing

Fundada em 2012, a Synapcom é a líder no mercado de full-service no e-commerce brasileiro.