Em quanto tempo fico imune após tomar a vacina contra a Covid-19?

Para combater a pandemia da Covid-19, as vacinas são o primeiro caminho para a população, contudo, a imunidade não começa imediatamente após tomar a primeira ou segunda dose do imunizante. Além disso, é importante lembrar que caso a pessoa pegue a doença logo após se imunizar, não quer dizer que a vacina não funciona, mas sim que o seu sistema imunológico ainda não teve tempo suficiente para criar a resposta imune.

Foto: Reuters/Michael Weber/Imago Imagens/Direitos reservados
Foto: Reuters/Michael Weber/Imago Imagens/Direitos reservados

Reação do organismo

É necessário a compreensão de que cada caso é um caso, pois cada organismo reage de uma maneira diferente, que dependem ainda de outros fatores como à idade da pessoa, bem como o próprio sistema imunológico do mesmo. Em vias de regra, em duas semanas após a segunda dose nosso organismo estará protegido.

O tempo de duas semanas após a segunda dose é determinado, pois, esse é o tempo médio que o sistema leva para criar anticorpos neutralizantes, ou seja, que barram a entrada do vírus em nossas células.

Esse intervalo de tempo também foi usado nos testes clínicos da CoronaVac para medir o tempo de resposta imune dos participantes. É importante ressaltar ainda que uma quantidade ainda maior de anticorpos foi percebida nos indivíduos após um mês da vacinação da segunda dose, o que também acaba variando de indivíduo para indivíduo.

Recomendação

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira (21) que toda a população adulta deve estar vacinada com a primeira dose até setembro. Em audiência na comissão da Covid-19 do Senado, Queiroga afirmou ainda que os brasileiros acima de 18 anos estarão totalmente imunizados, com às duas doses de vacina, até o final do ano.

Entretanto, é importante esclarecer que, mesmo que toda população adulta venha a ser imunizada até setembro, será importante saber esperar antes de voltarmos aos velhos hábitos, para ainda sim, evitar o contágio de pessoas mais jovens, ou ainda de continuar espalhando o vírus que mesmo imune as pessoas podem acabar contraindo a doença, mesmo que de maneira mais leve. É importante ainda que por mais algum tempo os cidadãos tomem medidas de segurança, como continuar a usar máscara e continuar com a constante higienização.

Conteúdo por Jornal Contábil, com informações do Instituto Butantan

Comentários estão fechados.