Escrituração Contábil Fiscal: Saiba como funciona essa obrigação

0

Dentre as obrigações das empresas está a elaboração e apresentação da Escrituração Contábil Fiscal (ECF).

Antes, esse documento se chamava Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ) e, para facilitar o procedimento, passou a ser realizado através do Sistema Público de Escrituração Digital, que ficou conhecido como SPED. 

Mas você sabe quem deve fazer a escrituração e quais informações devem ser apresentadas à Receita Federal? Continue conosco para descobrir essas e outras informações importantes para seu empreendimento. 

O que é ECF?

A escrituração é voltada ao registro de dados relacionados às operações que possam influenciar o valor devido e composição da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ).

Mas para que possamos dar continuidade, é preciso conhecer também a Escrituração Contábil Digital (ECD), que reúne os dados que se referem ao Livro Diário; Livro Razão e Livro Balancetes Diários, Balanços e fichas de lançamento comprobatórias dos assentamentos neles transcritos, além de seus auxiliares.

Vale ressaltar que estas escriturações precisam ser apresentadas à Receita Federal anualmente e representam a realidade contábil e fiscal da sua empresa. 

Procedimentos da Escrituração

Sabendo disso, antes de registrar as informações de sua empresa no sistema SPED, é preciso fazer a Escrituração Contábil Digital até o mês de maio.

Mesmo que pareça bastante burocrático, não se assuste, pois, através do Sped é possível utilizar os dados da ECD para fazer a ECF, que se trata de um documento equivalente a uma declaração de Imposto de Renda para pessoas jurídicas. 

Então, para o seu preenchimento é necessário informar os dados econômicos e fiscais apurados, destacando as seguintes informações:

  • Abertura e identificação da empresa;
  • Informações da ECD;
  • Informações da ECF anterior e o cálculo fiscal dos dados recuperados da ECD;
  • Plano de contas;
  • Saldos das contas contábeis;
  • Lucro Líquido – Lucro Real;
  • Livros de escrituração e apuração do IRPJ (e-LALUR) e da CSLL (e-LACS);
  • Cálculo do IRPJ e da CSLL – Lucro Real;
  • Lucro Presumido;
  • Demonstrativo do Livro Caixa;
  • Lucro Arbitrado;
  • Balanço patrimonial e a demonstração do resultado das imunes ou isentas;
  • Declaração sobre utilização dos recursos em moeda estrangeira decorrentes do recebimento de exportações (DEREX); 
  • Relatório País-a-País; 
  • Informações econômicas da empresa; 
  • Informações gerais da empresa; 
  • Encerramento do preenchimento e fechamento do arquivo.
Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Quem não precisa fazer a ECF?

Grande parte das empresas brasileiras precisam fazer a ECF, mas aqui ressaltamos aquelas que estão dispensadas de apresentar as informações da escrituração contábil fiscal.

São elas: as pessoas jurídicas que fazem parte do Simples Nacional; os órgãos públicos, autarquias e fundações públicas, além das pessoas jurídicas que são consideradas inativas.

Prazos

Outra informação muito importante é a data de entrega da ECF.

De acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.422/2013 a data é fixa, então, precisa ser enviada até o último dia útil do mês de julho.

Esta declaração é anual, então as informações que nela constam são referentes ao ano anterior, ou seja, em 2021 a ECF precisa conter os dados do ano de 2020.

O documento é assinado por meio de certificado digital, o que garante segurança jurídica ao documento. 

Penalidades

Assim como outras obrigações, deixar de entregar a ECF resulta em penalidades para a empresa.

Assim, para as empresas tributadas pelo lucro real, por exemplo, implica em multa equivalente a 0,25%, por mês-calendário ou fração, do lucro líquido antes do IRPJ e da CSLL, limitado a 10%. 

Além disso, aquelas que não estão enquadradas no Lucro Real podem receber multa de 0,5% do valor da receita bruta se não fizerem o envio da declaração.

O limite do valor da multa não pode ultrapassar R$ 100 mil para as empresas que tiveram receita bruta total de até R$ 3,6 milhões e de R$ 5 milhões para as demais.

Então, para te ajudar tenha sempre o apoio de um profissional contábil que possui experiência quando o assunto são tributos e declarações. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda