Estudos apontam que o uso de uma só dose de vacina pode deixar vírus mais forte

0

Estudos apontam que a aplicação de apenas uma dose de vacina contra a Covid-19 pode fortalecer o vírus, deixando-o mais resistente e facilitar o surgimento de outras variantes do SARS-COV-2 se o imunizante não tiver uma ótima eficácia já na primeira dose, segundo o estudo da Universidade de Princeton, nos Estado Unidos, e publicado nesta semana na revista científica Science.

REUTERS/Dado Ruvic
Mulher segura frasco rotulado como de vacina contra Covid-19 em frente a logo da Pfizer em foto de ilustração 30/10/2020 REUTERS/Dado Ruvic

Os imunizantes Oxford, Moderna e Pfizer foram avaliados pela pesquisa, tendo como base uma cidade europeia ou norte-americana, em janeiro de 2021, com alta possibilidade de transmissão.

A conclusão que os pesquisadores chegaram foi que os regimes de dosagem da vacina dependem da eficácia da imunidade conferida por uma única dose.

A distribuição de doses únicas em lugares onde a infecção está crescendo rapidamente tem benefício a curto prazo para diminuir a propagação da covid-19. Mas, para atingir sucesso a longo prazo, a segunda dose pode ser dada após um período maior do que indicado pelas farmacêuticas, desde que o imunizante tenha boa eficácia na dose única.

Quando a vacina não consegue atingir um alto índice de imunidade, não é recomendável espaçar a segunda dose. Pode acontecer num primeiro momento, os números de propagação do SARS-CoV-2 cair, no entanto, a carga de infecção tende a crescer ao longo do tempo. O que vai ajudar ao vírus a evoluir e beneficiar o surgimento de novas variantes. Então, o aconselhável, é aplicar o imunizante de reforço em um período mais curto, como está sendo feito na maioria dos países.

Os pesquisadores disseram que nos lugares onde o alto número de casos de covid-19 é maior, será necessário a rápida vacinação em massa. Para definir o regime de doses dos imunizantes, é fundamental determinar a força e a duração da proteção clínica e da imunidade de bloqueio da transmissão por meio de avaliações cuidadosas, com o objetivo de criar políticas públicas sólidas.

Edição por Jorge Roberto Wrigt Cunha – jornalista do Jornal Contábil