IMAGEM: INTERNET

O economista e fundador da Gerencial Auditoria e Consultoria, José Luiz Amaral Machado, responde.

Muito se fala em planejamento tributário, e logo entendemos que esta é uma das tarefas indispensáveis que contribuem nas finanças da empresa. Mas será apenas essa atitude que o empreendedor deve adotar para conquistar o desenvolvimento do seu negócio e a saúde financeira?



Na verdade, o que queremos lembrar é que o planejamento tributário não é a panaceia que vai salvar a empresa, porque, na atualidade, enfrentamos um ambiente muito exigente. E isso está sinalizado pela situação da economia atual, onde encontramos os elevados juros praticados no mercado, o forte aspecto seletivo na concessão de crédito, os altos encargos sobre o valor da folha de pagamento, a complexidade do sistema tributário brasileiro – que exige das empresas a montagem de estruturas próprias para poder dar conta do assunto -, isso tudo sem levar em consideração os desafios diários para competir com a concorrência. Desta forma, somos da opinião que a empresa é um conjunto de áreas que devem atuar e nivelar-se como um verdadeiro sistema que atuam de forma harmônica.
O certo é que o processo de gestão considere que a empresa só vai alcançar uma boa rota de desenvolvimento se atentar para um conjunto de ações a fim de buscar um processo integrado de promoção de melhorias. Somente a busca da execução de um bom planejamento tributário, o que vai ao encontro de uma melhor posição financeira, não é a única ação que deve a empresa adotar sem levar em conta as outras necessidades para o seu desenvolvimento.



Destacamos sete pontos que não devem ser deixados em um patamar inferior:
– Assim que definidos a missão e os objetivos da empresa, dê início ao planejamento estratégico. Uma vez sabendo onde se quer chegar, o próximo passo será definir como chegar até lá, ou seja, a definição da estratégia e seus desdobramentos para atingir tais objetivos;
– Tenha uma estratégia bem clara e objetiva. Afinal, é por meio do planejamento que se torna possível traçar os rumos do novo empreendimento;
– Faça um planejamento cuidadoso, pois a falta dele é um dos motivos que fazem os empreendedores fecharem suas portas;
– Sempre fique de olho no que acontece no mercado. Este é o passo que deve identificar como sua empresa poderá ser impactada pelas ameaças e oportunidades do ambiente externo, agora e no futuro. Olhar o ambiente onde o negócio está inserido é sempre uma maneira de se preparar para o que pode acontecer.
– Conheça todos os lados de sua empresa. Saiba o que você oferece de bom e o que você ainda tem a melhorar. Como fazer isso? Identifique quais são os fatores críticos de sucesso de seus concorrentes para realizar uma análise comparativa de seus pontos fortes e fracos com relação a essa concorrência. Pode ter certeza que será mais fácil realizar uma análise interna.
– Desenvolva o seu plano de ação: depois de conseguir identificar quais são as oportunidades e as ameaças do ambiente em que sua empresa está inserida, fica mais fácil definir os objetivos estratégicos.
– Acompanhe cada passo. Foque em acompanhar a implementação de perto para avaliar se será necessário rever a estratégia. Avalie a eficácia por meio de métricas e indicadores que devem ser definidos anteriormente. Somente com todas essas informações e estabelecendo uma visão de futuro concreta você poderá buscar um verdadeiroprocesso de desenvolvimento da sua empresa. Ou seja, o planejamento tributário por si só não garante o desenvolvimento da empresa, e sim faz parte de um conjunto de iniciativas que devem ser adotadas.

Fonte: Jornal do Comércio