Tempo de Leitura: 2 minutos

A Alfândega da Receita Federal no Aeroporto Internacional de Guarulhos voltou a receber ligações telefônicas de contribuintes que caíram no conhecido Golpe do Amor. Nos últimos 15 dias, o órgão recebeu mais de 150 chamados pedindo informações para efetuar depósitos particulares para terem liberados valores ou encomendas supostamente retidos.

O Golpe do Amor, segundo a Receita Federal, é realizado dessa forma: os golpistas criam perfis falsos nas redes sociais, geralmente passando-se por estrangeiros em boas condições financeiras e com empregos prestigiados e estáveis. Eles se envolvem emocionalmente com a vítima, declaram-se apaixonados e manifestam intenção de casamento com o envio de volumes contendo presentes diversos, como óculos, bolsas, celulares, anéis de ouro para o “noivado”, dinheiro em espécie ou documentos do exterior por remessa expressa ou postal ou por meio de um viajante.

O delegado da Alfândega da Receita Federal do Aeroporto de Guarulhos, André Luiz Gonçalves Martins, explica que o golpista pede um depósito em dinheiro em conta corrente no Brasil dizendo que é para liberação dos bens que ficaram retidos.

“Começam pedindo em torno de R$ 2 mil. Se a pessoa faz, eles inventam outra desculpa e os depósitos chegam a R$ 40 mil.”

A fim de dar veracidade ao envio dos tais bens/documentos, os golpistas chegam a criar sites falsos de empresas de remessas expressas (courier), inclusive com falso rastreamento da suposta encomenda.

De acordo com o delegado, só em Guarulhos foram, em média, 10 telefonemas por dia nas últimas duas semanas. “Muitos ligam para reclamar que fizeram o depósito e não tiveram os bens liberados. Outros perguntam se realmente precisam fazer o depósito e nesse momento temos a oportunidade de avisar que isso é golpe, que não existe depósito em conta corrente para liberação. Iniciou com senhoras, mas já temos notícia de jovens, homens e idosos. Ou seja, o perfil hoje é qualquer pessoa no Brasil inteiro.”

Anúncios

Orientações

A Receita Federal adverte que não exige qualquer pagamento em espécie ou por meio de depósito em conta corrente. “Se você teve algum bem retido na Receita Federal, desconfie. Existe sempre um termo de retenção, uma empresa que trata disso. E nunca, em nenhuma hipótese, é solicitado depósito em conta corrente. Se você está sendo envolvido desta forma, procure a Polícia Civil e faça o boletim de ocorrência para investigação do golpe”, explica o delegado André Martins.

Todos os tributos aduaneiros administrados pelo órgão somente são recolhidos por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). Nos casos de encomendas enviadas por remessa expressa, pode-se confirmar se a empresa está habilitada no Brasil pelo site.

Em caso de dúvidas, o contribuinte pode enviar seu questionamento ou contatar as unidades de atendimento da Receita Federal também pelo site. Com G1