Governo do Reino Unido intervém na aquisição da Arm Holdings pela Nvidia

O governo do Reino Unido deve examinar a venda da designer de chips de computador, Arm Holdings, para uma empresa dos EUA por motivos de segurança nacional.

0

O SoftBank do Japão pretendia vender a empresa de tecnologia do Reino Unido para a Nvidia por cerca de US $40 bilhões (£ 29,5 bilhões).

Mas o secretário digital, Oliver Dowden, disse que queria que o órgão de fiscalização da competição do Reino Unido avaliasse suas consequências.

“Após uma análise cuidadosa da aquisição proposta, emiti hoje um aviso de intervenção”, disse ele.

“Como uma próxima etapa e para me ajudar a reunir as informações relevantes, a autoridade de concorrência independente do Reino Unido irá agora preparar um relatório sobre as implicações da transação, que ajudará a informar quaisquer decisões futuras.”

A tecnologia da Arm está no coração da maioria dos smartphones e dispositivos inteligentes em todo o mundo.

Mas houve preocupações quando a designer situada em Cambridge, que licencia sua tecnologia para empresas como Apple, Samsung e Huawei, aceitou a oferta da Nvidia, uma especialista em chips gráficos dos Estados Unidos.

Em janeiro, a Autoridade da Concorrência e Mercados [Competition and Markets Authority (CMA)] anunciou que estava estudando o negócio em meio a preocupações de que poderia levar a Arm a recuar, aumentar os preços ou reduzir a qualidade de seus serviços para os rivais da Nvidia.

Oliver Dowden agora ordenou que inicie uma investigação de “fase um”, que decidirá se uma investigação completa de “fase dois” é necessária e poderia levar ao bloqueio do negócio.

Um porta-voz da Nvidia disse: “Não acreditamos que esta transação apresente quaisquer problemas materiais de segurança nacional.”

“Continuaremos a trabalhar de perto com as autoridades britânicas, como temos feito desde o anúncio desse acordo.”

Principal empresa de computação

No ano passado, mais de 2.000 líderes empresariais assinaram uma carta aberta pedindo ao primeiro-ministro que parasse a fusão, dizendo que empregos e influência no Reino Unido poderiam ser perdidos.

A Nvidia prometeu manter a Arm com sede no Reino Unido, contratar mais funcionários e manter sua marca.

Ele disse que o acordo criaria “a principal empresa de computação para a era da inteligência artificial“.

A Nvidia pode enfrentar barreiras de outros reguladores ao redor do mundo.

A China, em particular, já deixou claro que não está feliz com um acordo que dá tanto poder a um gigante da América em um momento em que os EUA tenta negar o  acesso à tecnologia de chips às empresas chinesas .

O CMA terá até 30 de julho para enviar suas conclusões à secretaria digital.

Conteúdo traduzido da fonte BBC News por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil