IPVA vai ficar até 30% mais caro em 2022

O valor do IPVA pode subir até 30% no ano que vem comparado ao que foi pago de imposto este ano

Como se não bastasse o aumento da inflação no país, a desvalorização do real e a alta do dólar, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) pode ter uma grande alta em 2022.

Vale lembrar que as alíquotas dos Estados não sofrerá alteração na cobrança do imposto, a grande alta vem pelo preço dos carros novos e usados que tiveram uma alta exorbitante no período da pandemia, o que por consequência deixará o imposto mais caro.

De acordo com informações da Exame Invest o aumento do IPVA pode ultrapassar os 30% se comparados, janeiro deste ano com os levantamentos apontados para janeiro de 2022.

A título de comparação os proprietários do Chevrolet Onix, terão que desembolsar até 31% a mais para pagar o imposto no ano que vem, do que já gastaram este ano. O levantamento da Exame Invest utilizou como base a Tabela Fipe e uma alíquota de 4% cobrada pelos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Valor a pagar em 2022

Para ter uma palinha do que poderá pagar de IPVA em 2022, os motoristas podem consultar o valor da tabela Fipe e somar a alíquota aplicada no seu estado para identificar o valor que poderá ser pago a partir de janeiro do ano que vem.

Para identificar qual a alíquota aplicada por seu estado, basta conferir a tabela abaixo:

EstadosAlíquota cobrada
São Paulo4%
Rio de Janeiro4%
Minas Gerais4%
Goiás3,75%
Distrito Federal3,5%
Mato Grosso do Sul3,5%
Paraná3,5%
Alagoas3%
Amazonas3%
Amapá3%
Pernambuco3%
Rio Grande do Norte3%
Rio Grande do Sul3%
Roraima3%
Bahia2,5%
Ceará2,5%
Maranhão2,5%
Pará2,5%
Paraíba2,5%
Piauí2,5%
Sergipe2,5%
Acre2%
Espírito Santo2%
Mato Grosso2%
Rondônia2%
Santa Catarina2%
Tocantins2%

Aumento no preço dos veículos

Para tentar identificar o aumento no preço dos veículos, podemos achar alguns indicadores pela alta no país. Dentre esses indicadores temos a baixa no estoque de produtos para a produção dos veículos, a elevação no valor da matéria-prima bem como o aumento nos custos de transportes, o que juntando a demanda retraída causa um choque no valor dos automóveis.

Com relação aos seminovos, devido à falta de carros em estoque, os veículos usados tiveram uma grande procura, o que por consequência elevou o preço dos mesmos, trazendo um impacto dessa forma não somente nos carros novos como também nos veículos usados.

O preço pode voltar ao que era?

Com os impactos da pandemia no setor automotivo, a normalidade no preço dos veículos não deve ocorrer em tão rápido como o esperado, isso porque, com o atraso na entrega de veículos e a consequente alta nos preços seja de carros novos, usados ou seminovos, para o ano que vem a situação pode até melhorar, mas não é previsto que tudo voltará ao normal, segundo declaração de Edmar Lopes CFO da Movida.

Contudo, pessoas ligadas ao mercado acreditam que em algum momento o preço deve recuar, mas isso não deve ocorrer este ano ou ainda no início de 2022. Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes “Em termos de custos, não vejo em pouco tempo uma alteração estrutural que permita redução nos valores finais. Talvez, baixe apenas na metade do ano que vem”, disse ao Estadão.

É preciso considerar ainda que 2022 será um ano eleitoral, assim o governo deverá ou ao menos deveria se empenhar em criar condições mais adequadas para o mercado no geral, como a valorização do real frente ao dólar.

Contudo, é preciso estar ciente que aquele cenário de carro zero custando R$ 40 mil não deverá voltar, mas será necessário identificar a relação inflação, demanda do mercada, preço do dólar, falta de componentes para a fabricação para verificar o comportamento dos preços.

Comentários estão fechados.