Quando se inicia um empreendimento, é comum que esse primeiro passo seja dado como microempreendedor individual, o famoso MEI. Contudo, com o passar do tempo, os negócios evoluem de modo que se torna necessário mudar para uma categoria maior, uma microempresa, conhecida por ME.

Mas, como migrar de MEI para ME?

A transição de MEI para ME gera bastante dúvida entre muitos empreendedores. As dúvidas mais frequentes são: o que caracteriza essa mudança? Ela é realmente indispensável? É possível mudar para ME sem ultrapassar os limites estabelecidos de faturamento?Pois bem, vamos descobrir isso!

Estes dois formatos de formalização empresarial apresentam diferenças significativas desde o regime tributário. Enquanto que para um é obrigatório se encaixar no Simples Nacional, já para o outro é possível escolher entre o Simples Nacional, o Lucro Presumido ou o Lucro Real.

Vamos às diferenças entre esses tipos de formalização:

MEI

O microempreendedor individual é a pessoa jurídica que atua por conta própria e tem como faturamento máximo anual R$ 81 mil. O microempreendedor individual não pode ter participação em outro negócio e nem contar com sócios, em outras palavras, precisa atuar de forma semelhante ao autônomo.

O enquadramento no MEI é feito pelo Portal do Empreendedor, que emite o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ–na hora. O restante da formalização é feita pela prefeitura do município em que o empreendedor reside, e na Secretaria de Estado da Fazenda – Sefaz–se a atividade for de comércio ou indústria.

Após isso, é possível emitir notas fiscais eletrônicas (NF-e), mesmo estando desobrigado de ter conta corrente de pessoa jurídica, no entanto, é recomendado.

Essa classificação foi criada em 2008 para facilitar a legalização de uma grande quantidade de trabalhadores informais, permitindo maiores chances de crescimento e facilitando o recolhimento de impostos.

A principal característica do MEI é a carga tributária reduzida e o sistema de recolhimento único, feito por meio de um Documento de Arrecadação Simplificado (DAS).

O pagamento em dia da contribuições assegura todos os direitos trabalhistas e previdenciários, como, por exemplo, licença maternidade, auxílio doença, aposentadoria,entre outros. Um dos maiores benefício do microempreendedor individual é a isenção de alguns tributos, exemplo disso é o Imposto de Renda.

Um cuidado necessário é que nem todas as atividades estão podem ser contempladas no MEI. A lista de ocupações permitidas está disponível no Portal do Empreendedor.

A gestão contábil é bem simples, a movimentação é feita mensalmente por meio de um documento disponibilizado o Portal do Empreendedor, e inexiste a obrigação de contratar um contador, embora seja bastante interessante contar com a assessoria de uma empresa especializada.

ME

A ME admite um faturamento de até R$ 360 mil por ano. Por ser reconhecido como um empreendimento de porte micro, sua legalização é um pouco mais burocrática e requer a apresentação de um contrato social, que deve ser registrado na Junta Comercial do Estado.

O empresário pode optar por um dos 03 regimes tributários disponíveis, o Simples Nacional, o Lucro Presumido ou o Lucro Real.

Na maioria dos casos, os empreendedores optam pelo Simples Nacional, pois o cálculo de impostos costuma ser mais interessante. A contabilização é feita com base em uma tabela específica desse regime tributário, que considera a receita nos últimos 12 meses.

A microempresa ainda pode ter vários empregados, sem nenhuma limitação. Neste tipo de formalização, a gestão contábil exige a contratação de um contador para o cumprimento das obrigações mensais da empresa.

Diferente da MEI, qualquer atividade pode ser registrada como ME, e o valores pagos são baseado na receita da empresa.

Quando é preciso migrar de MEI para ME?

Essa migração é obrigatória sempre que o MEI ultrapassar o limite de faturamento anual. A partir disso, é necessário solicitar um novo enquadramento.

Existe também a possibilidade de o próprio empreendedor querer investir no crescimento da empresa e, por isso, decida fazer essa migração para ME, embora ainda não haja a obrigatoriedade. Nesse caso, é preciso realizar alguns procedimentos que incluem desde a solicitação do descredenciamento de MEI até o pagamento de alguns tributos, quando necessário. Vamos entender melhor como esse processo é realizado.

Passo a passo para fazer a migração

A transição é relativamente simples, mas é preciso seguir os ritos e procedimentos.

  • Recolhimento do DAS

A primeira ação a ser realizada é recolher o Documento de Arrecadação Simplificada do MEI (DAS-MEI), até dezembro do mesmo ano, e um DAS complementária, referente à quantia que ultrapassar o máximo estabelecido, caso seja necessário. O valor será determinado de acordo com o faturamento obtido pela empresa:

Entre R$ 60 mil e R$ 72 mil:…O pagamento deve ser realizado até janeiro do ano seguinte, calhando com o prazo dos impostos do Supersimples. A partir desta data, são recolhidas alíquotas conforme o Simples para ME, com taxas que variam entre 4%e 6%, dependendo da atividade exercida e do faturamento.

Acima de R$ 72 mil:…A diferença de impostos retroativamente a janeiro do ano anterior e à data de registro deve ser paga. A alíquota de cálculo vai depender do patamar de faturamento, considerando que microempresa vai até R$ 360 mil e empresa de pequeno porte entre esse valor e R$ 3,6 milhões.

  • Solicitação de descredenciamento como MEI

O próximo passo é solicitar o descredenciamento como MEI no site do Simples Nacional. Se não houver nenhuma pendência, o empreendimento é retirado imediatamente do Simei, tornando-se optante do Simples Nacional.

Antes de realizar essa etapa, você precisa estar certo de que realmente deseja ser realmente microempresa, pois se trata de um procedimento irreversível até o ano seguinte.

No caso de comunicação obrigatória, o descredenciamento é realizado automaticamente pelo sistema.

  • Alteração na Junta Comercial

Para finalizar o processo, é necessário comunicar a Junta Comercial do seu estado. Você precisa apresentar a Comunicação de Desenquadramento do Simei, o Formulário de Desenquadramento, e o requerimento do empreendedor, solicitando ao presidente da Junta Comercial o desenquadramento de sua empresa.

  • Alteração dos dados da sua empresa

Agora você já está registrado como microempresa, mas ainda precisa adequar os dados cadastrais da sua empresa perante a Junta Comercial. No passo anterior, foi modificada apenas sua inscrição, ainda é preciso atualizar a Razão Social e o Capital Social.

Migrar para ME é um passo importante no desenvolvimento da empresa, é o estopim para aumentarem as possibilidades de negócios e crescimento.

Dica: Atenção você contador ou estudante de contabilidade, conheça nosso treinamento voltado para contadores iniciantes, ensinando na prática procedimentos contábeis que todo contador precisa saber, mas que não se ensina na faculdade.

Tudo que você precisa saber para saber para abrir, alterar e encerrar empresas, além da parte fiscal de empresas do Simples Nacional, Lucro Presumido e MEIs, Contabilidade, Imposto de Renda. Quer saber mais? Então clique aqui e não perca esta oportunidade!

Conteúdo via Juros Baixos

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.