O Salário Mínimo pode ter o reajuste mais alto desde 2016

A correção pela qual o salário mínimo passa todos os anos é ineficaz

O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) criou projeção sobre a inflação para 2021, segundo a projeção ela deveria ser de 5,50%, porém atualmente ela já chegou a 6,20% e tem risco de que até o fim do ano ela atinja os sete por cento. Se esse cenário se confirmar, teremos o maior reajuste desde 2016, o maior em seis anos.

O valor do salário mínimo para 2022 já estava decidido desde julho deste ano, quando houve a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) definindo seu valor em R$ 1.147, representando uma alta de 4,3%. No entanto, devido às novas altas e a nova previsão de 7% de inflação até o fim do ano, o valor do piso do salário será reajustado para R$ 1.177 em 2022.

O aumento do salário mínimo vai representar também uma alta em cadeia para que afetará o INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) causando a alta de seus benefícios, uma vez que a lei não permite que o INSS pague aos seus beneficiários um valor menor que o piso do salário. Devido às mudanças citadas acima, no dia 15 de JAN 2022 os beneficiários do INSS receberão reajuste.

Os programas de responsabilidade do governo que tem o intuito de apoiar a população carente também serão reajustados, já que seu cálculo base é feito a partir do valor do salário mínimo.

Reajustes do piso nacional desde o ano de 2016

Confira os reajustes do salário mínimo desde 2016:

  • 2021: R$ 1.100 (5,2%)
  • 2020: R$ 1.045 (4,7%)
  • 2019: R$ 998 (4,6%)
  • 2018: R$ 954 (1,8%)
  • 2017: R$ 937 (6,48%) 
  • 2016: R$ 880 (11,6%)

O salário mínimo e o poder de compra

A correção pela qual o salário mínimo passa todos os anos é ineficaz, tendo em vista que do ano de 2019 até os dias atuais, esse reajuste vem sendo feito apenas com o objetivo de manter o poder de compra do brasileiro, ou seja, ela não gera um aumento real para o bolso da população.

O economista da FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas), André Braz, explica que a correção tem o objetivo de manter o equilíbrio da cesta de consumo do brasileiro, no entanto, muitas vezes isso não acontece porque é preciso entender que os diversos itens da cesta diferem então uns podem influenciar mais do que outros, e dependendo da localidade do indivíduo, ele pode não conseguir seu poder aquisitivo recuperado por esse meio. 

O Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) fez uma pesquisa a respeito de cestas básicas e chegou a conclusão de que o salário correto para os trabalhadores brasileiros no mês de junho, precisaria corresponder a R$ 5.421,84, esse valor seria suficiente para cobrir a inflação de forma correta.

Comentários estão fechados.