Pesquisa revela o retrato atual da fraude corporativa no Brasil

0

Favorecimento de fornecedores, vazamento de informações e fraudes nos pagamentos estão entre os riscos detectados pela consultoria a partir da análise de casos investigados em empresas brasileiras. Colarinho branco tem 57% da participação nas ações fraudulentas.

Uma pesquisa da Protiviti Brasil, consultoria global especializada em Gestão de Riscos e Compliance, aponta a participação passiva de funcionários internos em casos de fraudes. O resultado do estudo baseia-se na análise de 43 casos de fraudes corporativas investigados pela Protiviti nos últimos dois anos. De acordo com o levantamento, 57% das ações fraudulentas são cometidas por gerentes e diretores, enquanto 43% são realizadas por funcionários abaixo do nível executivo.

O foco da pesquisa é detectar as principais vulnerabilidades existentes nas relações comerciais entre companhias e fornecedores. De acordo com o levantamento há três principais riscos que rondam as organizações atualmente. São eles: a clássica fraude interna; o conluio entre funcionário interno e colaboradores de outras organizações; e a contratação de empresas vírus, que são empresas criadas com o objetivo único e exclusivo de cometer fraudes.

Dos casos de fraudes internas investigados, 58,4% envolvem o favorecimento de fornecedores, o conflito de interesse envolvendo amigos e familiares dos funcionários e fraudes de pagamentos. “Áreas críticas como compras, vendas ou relacionamentos com cliente são as principais portas de entrada para este tipo de fraude”, explica Antonio Carlos Hencsey, líder da prática de Ética e Compliance da Protiviti e um dos coordenadores da pesquisa “Perfil da fraude no mercado brasileiro”.

Já nos casos que envolvem empresas parceiras, que é quando há conluio entre funcionários de uma ou mais instituições, o relatório alarma que 41,18% das vulnerabilidades são ligadas a propinas, enquanto 39,22% são de apropriação indébita. Em menores proporções, estão o conflito de interesses, com 15,69%, e a corrupção de agentes públicos, com 3,92%. Vale destacar que 58,82% das organizações envolvidas em conluio são prestadores de serviços e consultoria, justamente pela dificuldade de mensuração e controle das entregas às empresas vítimas. Nestes casos isolados, 62% têm a participação do alto nível executivo.

“Do total de empresas avaliadas, 24% sofreram ataques de empresas vírus, situação que poderia ser evitada se houvesse uma análise técnica dos fornecedores dessas companhias por meio de processos como o Due Diligence de terceiros”, complementa Hencsey.

Desse total, 15% das empresas vírus não estavam com os registros ativos e 85,7% atuam como fornecedores ou prestadores de serviços. Nestes casos, 75% dos funcionários da empresa vítima envolvidos são de alto escalão.

“São indicadas como medidas preventivas a realização de processos seletivos que analisem a flexibilidade moral dos colaboradores e a implementação de práticas de compliance. Essas iniciativas são fundamentais para a sustentabilidade do negócio e redução dos riscos de fraudes advindas de relações comerciais predatórias, que no final das contas acharcam o lucro das empresas”, finaliza Hencsey.

SOBRE A PROTIVITI (www.protiviti.com)

A Protiviti é uma empresa global de consultoria que ajuda empresas a resolverem problemas em finanças, tecnologia, operações, governança, risco e auditoria interna. A companhia presta serviços para mais de 60% das empresas da Fortune 1000® e 35% da Fortune Global 500®.

A Protiviti e suas firmas membro independentes prestam serviços aos clientes por meio de uma rede de mais de 70 escritórios em mais de 20 países, contando com mais de 4.500 profissionais em todo o mundo. No Brasil ela está presente desde 2006. A empresa também trabalha para agências governamentais e empresas de menor porte e/ou em fase de crescimento, incluindo aquelas que têm por objetivo fazer a abertura de capital.

Presente na classificação 57 da lista de 2016 da Fortune – 100 Melhores Empresas para Trabalhar®, a Protiviti é reconhecida em seu segmento entre as “Melhores Empresas para Trabalhar”. A empresa é uma subsidiária integral da Robert Half (NYSE: RHI). Fundada em 1948, a Robert Half é membro do índice S&P 500 e foi nomeada para Fortune® na lista “Empresas Mais Admiradas do Mundo” da revista entre 1998-2016.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.