PL que prevê CNH para carros com câmbio automático tramita pelo Senado

Projeto de Lei que pode permitir que os motoristas tirem CNH apenas para carros automáticos.

Os carros com câmbio automático têm se tornado bastante populares nos últimos anos, por não terem a necessidade da troca de marcha durante o trajeto, oferecendo mais conforto ao condutor.

Tramita pelo Senado aqui no Brasil, um Projeto de Lei que pode permitir que os motoristas tirem CNH apenas para carros automáticos.

A PL 2.955/2021 prevê que motoristas de todo o país possam registrar suas carteiras de habilitação apenas para carros automáticos.

Criada pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO), a PL altera o Código brasileiro de Trânsito (Lei 9.503/1997) e ainda aguarda indicação de relator.

Se aprovada, o método para esta tirar CNH seria o mesmo que conhecemos atualmente.

Após agendar a sua avaliação, o candidato terá que fazer uma prova prática de direção em algum veículo automático, se quiser retirar a restrição, terá de realizar a prova prática com um carro mecânico.

Segundo o texto do projeto, o motorista pego conduzindo um carro manual após tirar a carteira automática, será multado e terá o carro detido, até que um condutor habilitado se apresente.

Eduardo Gomes afirma que o aumento da comercialização de veículos automáticos é a justificativa, e que as leis de trânsito precisam estar por dentro das evoluções.

“De fato, a condução de veículos equipados com câmbio manual requer maior destreza e habilidade, razão pela qual o Contran exige que o candidato realize as provas no modelo manual. No entanto, diante do fato de que enorme parcela dos condutores hoje dirige apenas veículos automáticos, não há razão para que o exame de direção veicular não acompanhe este cenário”.

O prazo de regulamentação do Contran é de 180 dias, que também vale para os centros de formação se adaptarem.

A proposta ainda passará pelo Senado e, se aprovada, pela Câmara dos Deputados. A sanção presidencial só acontece depois da fase anterior, se não tiver que ser revisada pelo Senado.

Comentários estão fechados.