Para quem ficou em casa sem poder sair por causa da pandemia do novo coronavírus, jamais poderia imaginar o estrago que um vírus poderia fazer na economia.

Ficar em casa pros médicos é saúde, para os economistas é desastre. E realmente, a economia já está sentindo os efeitos do isolamento social. O desemprego aumentou em 2 milhões desde o início de maio, conforme Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo IBGE.

O que mostra que o número de desempregados ficou em 11,8 milhões de pessoas entre 14 e 20 de junho, o que foi superior aos 9,8 milhões do início de maio. Agora a taxa de desemprego está em 12,3% (no no começo de maio era 10,5%).

Entretanto, 17,3 milhões de pessoas querem trabalhar e não estão procurando por causa da pandemia.

A pesquisa mostrou que os informais ainda são o que mais estão sofrendo com a crise. A taxa de informalidade “caiu para 33,9%.

Saúde e economia

E agora, uns vão condenar a medida de manter todo mundo em casa para conter o contágio do coronavírus, outros vão achar que é o certo a fazer. Se bem, que os dois estão certos, é necessário fazer o isolamento social, por outro lado o mundo não pode parar, as indústrias, lojas, as empresas e etc, tudo tem que voltar a funcionar, a economia não pode ficar estagnada. Mas, sem saúde, não haverá pessoas para trabalhar. E agora?

Existem muitas empresas fechando, bares, restaurantes. O que colaborou com o número de desempregos.

Temos que rezar e muito, para essa pandemia sumir do mapa, uma vacina precisa aparecer logo, não podemos ficar muito tempo em isolamento social.

Enquanto isso, existem os heróis da saúde que estão encarando o vírus de frente, as pessoas que não podem ficar em casa e precisam sair para trabalhar, para não ficar sem alimentos em casa. Quando muitos estavam em casa, essas pessoas não pararam de trabalhar.

Temos uma grande dívida de agradecimento aos médicos, enfermeiros, entregadores de aplicativos, e todos que não deixaram de trabalhar!

Texto: Jorge Roberto Wrigt Cunha – Jornalista do Jornal Contábil