Qual o motivo da DME? Saiba como fazer a declaração

Pessoas físicas ou jurídicas que movimentaram a partir de R$ 30 mil no mês em espécie precisam ter atenção. Fique de olho!

0

Hoje em dia não tem como não se atualizar. Vira e mexe surge uma nova obrigação acessória. Os empresários precisam ficar por dentro das normas, regras, leis, instruções normativas e declarações.

A manutenção da regularidade de seus negócios depende desta atenção. Assim como as pessoas físicas também.

Neste cenário, foi instituída recentemente mais uma obrigação. Trata-se da DME, envolvendo a declaração de moedas em espécie.

Ela foi divulgada pela Receita Federal em novembro de 2017, segundo a Instrução Normativa nº 1.761/2017.

Os pagamentos em espécie liquidados, total ou parcialmente, referentes à prestação de serviços, aluguel, transferência de bens e direitos ou outras operações, deverão ser apresentados através da DME – Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.

A declaração passou a ser obrigatória a partir 1º de janeiro de 2018, com a primeira declaração para fevereiro de 2018.

Quando devo fazer a DME?

Caso você, sendo pessoa física ou jurídica, residente ou domiciliada no Brasil, no mês referência, tenha recebido valor igual ou superior a R$ 30.000,00 (trinta mil reais), ou até mesmo equivalente em outra moeda, será necessário fazer a declaração DME.

Lembrando que este limite será aplicado por operação se ela for realizada entre o declarante e mais de uma pessoa física ou jurídica, ou seja, independentemente do recebimento de cada pessoa.

Ficou complicado para entender? Vamos a um exemplo: se você é uma pessoa física que possui várias casas de aluguel e a soma dos recebimentos em espécie no mês foi igual ou superior a R$ 30.000,00 será a necessário fazer a declaração, informando os dados de cada pessoa envolvida nas transações.

Outro exemplo: se você tem uma empresa de construção que recebeu de uma pessoa jurídica o valor igual ou acima de R$ 30 mil em espécie referente à prestação de serviço, deverá fazer a declaração.

As instituições financeiras e a instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil não estão sujeitas a essa operação.

Como será declarada a DME?

As informações serão enviadas através de formulário eletrônico, no campo “apresentação da DME”, dentro do acesso do portal do e-CAC (Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte), disponível no site da Receita Federal (RFB).

O preenchimento do formulário só pode ser feito através de um certificado digital. O certificado precisa ser emitido por entidade credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

A declaração tem que ter assinatura digital pela pessoa física, representante legal da pessoa jurídica ou pelo procurador devidamente constituído nos termos da Instrução Normativa RFB nº 1.751/2017.

Na declaração precisa conter:

  • Os dados completos da pessoa física e jurídica que efetuou o pagamento. Nome ou razão social e número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). No caso de pessoa no exterior que não possui os documentos citados, será necessário o Número de Identificação Fiscal (NIF). Deve constar no formulário todos os envolvidos na operação;
  • O código que consta na tabela de bens, direitos, serviços ou operação referente ao recebimento. É possível verificar através dos Anexos I e II disponíveis no material no site da RFB;
  • A descrição dos bens, direitos, serviços ou operações dos valores recebidos;
  • O valor líquido em espécie real, assim como a moeda usada na operação. Em caso de moeda estrangeira, o Banco Central do Brasil apurará o valor em real com base no dia útil anterior ao recebimento;
  • A data da operação.

Está disponível no site da RFB o manual das normas complementares estabelecidas da forma de apresentação da DME.

Foram adotadas providências necessárias à implementação pela Coordenação-Geral de Programação e Estudos (Copes) e a Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação (Cotec).

Até quando devo declarar?

A declaração poderá ser enviada até o final do último dia útil do mês subsequente ao do recebimento dos valores em espécie.

Designed by @lovelyday12 / freepik
Designed by @lovelyday12 / freepik

Como retificar a DME?

Através da DME retificadora é possível fazer as devidas correções de erros e omissões que foram apurados depois da entrega.

Mas deve conter as informações prestadas na DME retificada, bem como as exclusões, alterações e inclusões.

Multa por não entrega ou atraso

Atenção! Se a DME foi entregue fora do prazo ou não declarada, a empresa ou a pessoa física será multada. Veja as situações e valores abaixo:

Para pessoa jurídica, o valor da multa é de R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês de atraso.

Isso se for empresa em início de atividade, imune, isenta, optante do regime tributário Simples Nacional ou que tenha apurado o imposto com base no Lucro Presumido na última declaração apresentada.

Para as demais empresas, as enquadradas no regime do Lucro Real, por exemplo, o valor da multa mensal é de  R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais).

Há multa também para as informações entregues com alguma omissão, incompletas ou inexatas. Neste caso, serão aplicados 3% sobre o valor da operação.

Já para pessoa física, o valor da multa é de R$ 100,00 (cem reais) por cada mês de atraso.

Se as informações forem omitidas, incompletas ou inexatas, poderá ser aplicada a multa de 1,5% do valor da operação.

Qual o motivo dessa declaração?

A DME surgiu logo após a Lava Jato. Foi impulsionada pelos escândalos de corrupção e sonegação fiscal que aconteceram no Brasil.

Foram identificadas várias tentativas de lavagem de dinheiro utilizando moeda em espécie.

Hoje o governo consegue verificar as transações feitas através da transferência bancária, vendas a prazo ou até mesmo pelo cartão de crédito.

Mas não consegue controlar os valores em espécie. Sendo assim, com a DME será possível analisar essas operações aumentando a fiscalização.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Fonte: Conube