Câmbio fixo: conheça as características desse regime cambial

0

O câmbio fixo, como estratégia econômica do governo brasileiro para frear a inflação, já foi usado algumas vezes e, para muitos especialistas, da forma mais eficiente possível, ou seja, por tempo determinado.

Em outros países, no entanto, a escolha de manter a moeda local alinhada com o dólar por um período prolongado traz efeitos severos para sua economia, o que faz com que muitas pessoas questionem a sua adoção.

Mas, considerando que a decisão de ter um câmbio fixo ou flutuante frente ao dólar está em esferas políticas e de gestão econômica, como isso pode afetar a vida das pessoas e empresas no dia a dia?

A resposta é que a escolha do regime cambial exige que empresas e profissionais que lidam com comércio exterior e áreas correlatadas saibam criar estratégias e aproveitar as oportunidades que o cenário acaba gerando.

Veja a seguir algumas informações essenciais que podem ser usadas com esse objetivo.

O que é o câmbio fixo?

Câmbio fixo é um regime cambial onde o valor da moeda local é fixado em paridade com outra moeda estrangeira ou valor de referência, como o do ouro.

Porém, como o Dólar é a moeda mais utilizada em operações de compra e venda internacionais, o mais comum é que ele seja a referência para o câmbio fixo estipulado por um país.

É importante saber que, junto com a taxa de juros, a taxa de câmbio é uma das principais ferramentas da economia para controle da sua inflação, afinal de contas, de forma resumida, ela representa a razão entre os preços gerais de dois países, quando comparados.

Se a taxa de câmbio do Real permanece inalterada em relação ao Euro, por exemplo, significaria que as duas moedas teriam a mesma forma e alterações em sua valorização.

Ou seja, não haveria hiperinflação do Real nesse caso, a menos que a moeda oficial da União Européia também estivesse vivendo o mesmo momento econômico.

Em um mundo globalizado, importações e exportações fazem parte do cotidiano de muitos negócios e segmentos, seja para a compra de insumos, seja para a venda de suas produções, por isso, o regime cambial e a taxa de câmbio afetam diretamente seus resultados.

Como surgiu o câmbio fixo?

O regime de câmbio fixo ganhou expressão mundial no século XIX e sua âncora cambial mais utilizada era o padrão-ouro.

Nele, as moedas dos países tinham um valor de troca a partir de sua comparação com o ouro e qualquer indivíduo ou instituição poderia fazer sua conversão.

Após a Primeira e a Segunda Guerra no século XX, o padrão-dólar tornou-se mais popular por conta da ascensão econômica dos Estados Unidos.

A Conferência de Bretton Woods estabeleceu que as moedas das principais economias teriam um câmbio fixo em relação à moeda americana, que manteria um valor fixo em relação ao ouro.

Porém, no governo de Nixon, os Estados Unidos também tiveram dificuldade em manter sua taxa de câmbio fixa em relação ao ouro, e em 1972, abandona o padrão ouro e faz com que todas as moedas que estavam fixadas ao seu valor passassem a ter seu câmbio flutuante.

Como o câmbio fixo é usado no Brasil?

No Brasil, o câmbio fixo já foi usado algumas vezes, usando sempre o Dólar como âncora cambial.

Em nosso histórico de políticas econômicas, vivenciamos esse regime, em:

  • 1964 até 1968, durante o Golpe Militar no Programa de Ação Econômica do Governo (PAEG) que tinha como um de seus objetivos, o combate à inflação;
  • 1986, durante a implantação do Plano Cruzado onde o câmbio permaneceu fixado entre março e outubro, quando os efeitos do congelamento nas exportações foram muito rigorosos; 
  • 1994 e 1999, durante o Plano Real para conter a inflação.

Em todos esses momentos, o câmbio fixo foi usado para conter a inflação.

Mas, especialmente nas duas últimas ocasiões, ela estava no status de hiperinflação, o que exigiu medidas monetárias mais severas, como a troca da moeda.

Porém, não adianta apenas mudar o nome da moeda, é preciso dar credibilidade à ela.

Para isso, o câmbio fixo usa outra moeda forte, como o dólar, para fortalecer a nova moeda.

Essa estratégia é eficiente, mas, é claro, depende de outras medidas internas e externas.

Como funciona o câmbio fixo na prática?

Para um regime de câmbio fixo funcionar integralmente, ou seja, a taxa de câmbio permanecer de 1 moeda local por 1 moeda estrangeira âncora, é preciso colocar em ação um Currency Board, que é uma agência de conversão de moeda.

O papel da Currency Board é manter as reservas internacionais em um volume igual ou maior que a base monetária da moeda nacional.

Assim, ela pode atuar trocando uma moeda pela outra dependendo do movimento realizado pelo mercado e players.

piramide
Câmbio fixo e flutuante

Usando um exemplo para entender o funcionamento do câmbio fixo e Currency Board, se uma empresa importa seus produtos para outro país, recebe seu pagamento em dólar.

A Currency Board, então, retém a moeda estrangeira e repassa a empresa a quantia convertida em moeda nacional.

Como o câmbio fixo é de 1 para 1, a empresa vai receber a mesma quantia que negociou.

Já na exportação, a Currency Board vai fazer o processo contrário, ou seja, a empresa que comprou insumos de fornecedores de outro país, por exemplo, vai pagar em moeda nacional, mas, a Currency Board vai converter esse valor na moeda estrangeira âncora.

Com isso, a taxa de câmbio se mantém fixa.

Vale lembrar que a Currency Board não realiza nenhuma política monetária ou cria moeda nacional, apenas faz a troca de uma pela outra.

Qual a diferença entre o câmbio flutuante e fixo?

O câmbio fixo traz alívio a inflação mantendo o valor da moeda no mercado internacional, mas, como existem outras variáveis, não é um regime sustentável.

Assim, apesar dos objetivos não mudarem, a estratégia muda.

Entra em cena o câmbio flutuante, que determina o valor da moeda nacional em relação às moedas estrangeiras de acordo com a oferta e demanda por elas.

Ou seja, o governo deixa de atuar no controle do valor da moeda.

Mas, quais são as diferenças fundamentais entre esses dois regimes econômicos?

Câmbio fixo

  • moeda nacional tem taxa de câmbio 1 para 1 em relação a moeda âncora estrangeira;
  • a inflação é controlada mantendo a moeda nacional artificialmente forte comparada com a moeda de referência;
  • precisa de um Currency Board para funcionar;
  • variação da base monetária, ou seja, volume de dinheiro nacional, é passiva;
  • aumenta a confiança na moeda nacional, tanto no mercado interno, como no externo;
  • não existe uma política monetária concretamente, afinal de contas, o movimento da moeda nacional e sua valorização estão atrelados à moeda estrangeira escolhida como referência e, portanto, vai acompanhar sua performance;
  • com o tempo, pode prejudicar as exportações, já que existe um ganho importante nas diferenças de valores entre moedas, assim como um câmbio depreciado também pode afetar negativamente a importação, já que a empresa vai gastar mais para produzir do que vai ganhar.

Câmbio flutuante

  • moeda nacional tem taxa de câmbio flutuante que varia conforme a demanda e oferta pela moeda estrangeira;
  • a inflação é controlada por outros instrumentos econômicos, como o superávit primário (Lei orçamentária e teto de gastos) e metas de inflação;
  • não existe um Currency Board;
  • a base monetária e o volume de moedas faz parte das políticas monetárias do país, ou seja, sua emissão não depende do movimento de compra e venda da moeda estrangeira;

a confiança da moeda nacional é construída por seu valor real, risco do país, estabilidade política, econômica etc;

  • não existe uma política cambial concretamente, embora o governo possa comprar e vender moedas estrangeiras para frear variações da taxa cambial.

Essa intervenção governamental, comprando ou vendendo dólares, por exemplo, para intervir na taxa cambial da moeda nacional, é chamada de “câmbio flutuante sujo”, porque não acontece integralmente como o previsto.

Na atualidade, o Brasil mantém o câmbio flutuante e, portanto, faz o controle da inflação por outros meios.

Mas, ainda assim, vai atuar no mercado vendendo suas reservas de moeda estrangeira ou comprando no mercado para que a cotação do Real em relação a outras moedas não prejudique suas políticas e comércio exterior.

Como a plataforma Remessa Online pode facilitar o processo?

A possibilidade de ter uma intervenção governamental gera algumas incertezas no mercado, afinal de contas, algumas pessoas e empresas ganham com o dólar alto, outras, com ele baixo.

Se uma empresa ou investidor, é afetado diretamente por essas variações, sabe que, em longo prazo, os investimentos tendem a ser mais satisfatórios.

Mas, ainda é possível garantir melhores retornos.

Usar uma plataforma de transações internacionais confiável, segura e com custos reduzidos garante que as remessas de valores feitas ou recebidas sejam mais vantajosas.

A plataforma Remessa Online viabiliza negócios internacionais de pequenas e médias empresas, a prestação de serviço para o exterior, monetização em plataformas internacionais ou a experiência de viver fora do país, afinal de contas, torna as transações de valores mais ágeis, econômicas e simples, seja no câmbio fixo, seja no câmbio flutuante.

Visite o site, saiba como fazer o Cadastramento e comece a usar a plataforma Remessa Online para suas transferências internacionais.