De acordo com dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o período de deste ano deve movimentar cerca de R$ 8 bilhões nas principais atividades econômicas do Brasil, o maior o volume de receitas registrado desde 2015. No país, só o estado do Rio de Janeiro deve gerar R$ 2,3 bilhões durante as comemorações, seguido por São Paulo, com R$ 1,95 bilhão, e Bahia, com R$ 1,13 bilhão.

Segundo a professora de economia da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, Michele Nunes, o grande número de foliões no país deve movimentar a economia.
“Com a alta do dólar, muitos turistas brasileiros estão preferindo ficar no país durante o feriado. A escolha pelo destino doméstico movimenta a economia do Brasil, gerando empregos temporários e fortalecendo o comércio, mesmo que informal, o que deve durar até o final de semana após o período de ”, analisa.

Ainda de acordo com a professora, os segmentos mais favorecidos pelo serão os especializados em alimentação como bares e restaurantes e turismo.
“Esse aporte financeiro recebido durante o deve contribuir para a retomada de crescimento de uma série de setores da economia e os mais beneficiados serão hotelaria, turismo, alimentação e serviços. Essa movimentação, no entanto, não ficará restrita a esses segmentos, já que o consumo de forma geral deve permanecer em alta durante o período no país”, explica a professora.

A Universidade Presbiteriana Mackenzie está entre as 100 melhores instituições de ensino da América Latina, segunda a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação.