CEO a distância: é possível ter sinergia entre a empresa e seus colaboradores?

*Por Eduardo Henrique, CEO da Wavy

Muitas pessoas têm a ideia de que empresas no geral contam com equipes comandadas por um CEO que está pessoalmente no dia a dia da companhia para melhor gerir e acompanhar processos. Porém, alguns diretores enxergam uma possibilidade de trabalhar a distância por diversas razões, sem perder a produtividade e a sinergia com seus colaboradores.

Trabalhando desde Fevereiro de 2012 em outro país, percebi que, com alinhamento e novas metodologias entre as equipes, é possível que haja um trabalho de qualidade, sem a presença física do executivo. Isso, inclusive, pode trazer muitos benefícios para a empresa em geral. Morando nos Estados Unidos, percebo que estou conectado a um mercado mais maduro no que diz respeito a negócios e tecnologia, conseguindo visualizar de perto o que acontece internacionalmente e tendo acesso a informações e contatos que me ajudam a direcionar a estratégia da empresa da melhor forma.

Observando de perto esse universo, acredito que o brasileiro tem por tradição ser mais interativo socialmente e isso pode às vezes atrapalhar algumas funções operacionais quando estamos fisicamente na empresa. Mas, morando fora e estando um pouco mais isolado, foi possível notar que a minha produtividade e atenção atingiram níveis maiores por ter mais tempo para organizar minha agenda e focar melhor nas tarefas que demandam mais cuidado.

Diferente do senso comum, a distância não atrapalha a união com os funcionários. Nós, CEOs das empresas do Grupo Movile, temos como principal função dar direção e ser um termômetro de como o negócio está caminhando e para onde a companhia deve focar seus esforços. Nosso modelo de gestão é equilibrado e temos metas bem estabelecidas e comunicadas. Dessa forma, focamos em reuniões mensais e presenciais de resultados, que nos ajudam a estar sempre em sinergia como grupo e que me permitem seguir atento a tudo o que ocorre nas empresas que construímos ou investimos promovendo sinergias em nosso ecossistema.

Uma forma de me manter presente é o envio de um vídeo semanal a todos os funcionários explicando o que está acontecendo com a companhia, além de vídeos de boas vindas sempre que um funcionário novo chega à Wavy. Também temos diversas reuniões de alinhamento semanais que fazemos ao longo dos dias por vídeo-conference. Além disso, todo início de semana os diretores passam suas prioridades e eu alinho as minhas, corrigindo possíveis desvios de foco e alinhando a equipe de liderança como um todo. Isso faz com que toda a equipe esteja em sintonia e também faz com que que eles sintam que estou na mesma direção que o time, ainda que esteja em outro país. Uma última inovação que implementamos sobre isso é um canal de perguntas anônimas, onde qualquer funcionário pode colocar temas para eu discutir nos vídeos. Isso melhora muito o fluxo de informação que chega até mim, abrindo oportunidade para todos da empresa tocarem em pontos polêmicos ou se posicionarem em relação a decisões difíceis.

É claro que ficar muito tempo longe também não é saudável e as reuniões via internet não substituem alguns encontros presenciais. Para isso, é preciso saber que – como um CEO a distância – você precisará colocar algumas viagens a mais no calendário, para que o seu time sempre sinta que você está por perto, ainda que esteja longe fisicamente. Eu vou pelo menos uma vez por mês ao Brasil para reuniões presenciais com os times e clientes. Outra forma de fazer com que o alinhamento aconteça é estabelecendo metas e indicadores bastante claros para a equipe durante todo o ano. Assim, todos sabem para onde estão caminhando e podem seguir a mesma direção.

Entendemos que nem toda empresa pode estar pronta ou em um momento bom para ter um CEO em outro país. Nós decidimos por esse modelo por sabermos que, da nossa parte, já existe um nível maior de maturidade com relação ao controle de indicadores e de custos, o que acaba facilitando os processos. Para companhias que estão passando por momentos de crise, grande rotatividade de pessoas, fusões e aquisições, pode ser ideal que o diretor principal não se afaste para manter a integração, e busque o melhor momento para evoluir para esse novo modelo de trabalho. Ter um bom time motivado, suportando e apoiando o CEO, é fundamental para tudo caminhar bem.

Sobre Eduardo Lins Henrique: Co-fundador da Movile e CEO da Wavy. Possui vasta experiência em plataformas móveis e faz parte de muitas iniciativas de inovação dentro da empresa. Mudou-se para o Silicon Valley em 2012 e teve papel fundamental em todas as iniciativas de expansão do grupo, além de participação ativa na criação de novos produtos e negócios. É um dos criadores da PlayKids, plataforma de entretenimento educacional para crianças mais importante do mundo.