Como obter margem de contribuição se os ERPs não separam o custo dos estoques?

0

A discussão é longa e dificilmente trazida à tona pelas fabricantes dos sistemas de gestão integrado (os famosos “ERPs – Enterprise Resource Planning”).

Já os profissionais de Controladoria e Finanças convivem com essa situação há anos.

Mas ninguém de fato ataca o problema: Como obter a margem de contribuição se os ERPs não separam o custo médio dos estoques entre fixo e variável?

Para uma análise efetiva da questão, precisamos separar os ERPs nacionais (Totvs, Senior, Sankhya, etc) dos ERPs globais (SAP, Oracle, Dynamics, ETC).

No caso específico do SAP, é possível medir a margem de contribuição, desde que sejam configurados os elementos de custo.

Fazendo isso, o software alemão passa a “rolar os estoques” separadamente entre fixo e variável, de tal forma que a equação Saldo Final = Saldo Inicial + Entradas – Saídas é armazenada não apenas por produto, mas também por “elementos de custo”.

Já no caso do ERP nacional líder de mercado, para obtenção da margem de contribuição, é imprescindível implantar a funcionalidade de “custo por partes”, ainda pouco difundida no mercado.

Assim, buscando alternativas viáveis, enumeramos 3 motivos para obter de maneira rápida a margem de contribuição dos produtos industrializados.

Motivo 01: O foco do ERP é a contabilidade societária-fiscal (e não gerencial).

Muito embora desde em 2008 ter havido uma aproximação da tríade societário-fiscal-gerencial, os sistemas de gestão atendem primeiro aos aspectos fiscais.

Como a margem de contribuição é uma demanda gerencial, as implementações de ERP ignoram esta funcionalidade, focando única e exclusivamente nas necessidades legais.

Motivo 02: Mesmo sabendo que o “diabo mora nos detalhes, o molho não pode nunca ser mais caro que o peixe”.

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

Dilema muito comum na área de Tecnologia da Informação, o custo de obter uma informação não pode ser mais caro do que seu benefício, principalmente, financeiro.

A medição da margem de contribuição analítica, por produto, por cliente, por nota fiscal, etc, não é tarefa simples, e justamente por isso, o mercado não paga o preço para obter a informação.

Motivo 03: Cultura empresarial

Se por um lado já temos tecnologias de BIG DATA que, agregadas ao ERP, podem calcular facilmente a margem de contribuição, por outro, esbarramos na completa ingerência de algumas indústrias que simplesmente ignoram ou menosprezam a margem de contribuição.

Nestes casos, só há uma alternativa: agregar aos softwares toda uma metodologia e know how técnico com consultores capacitados, que entendendo as dores de cada cliente, apontam aos gestores e acionistas os melhores caminhos a seguir.

Por: Lucas Martins da Costa Moreira é professor universitário e CEO da BSuite, plataforma de inteligência de negócios em nuvem, que permite integração ao ERP, permitindo o cálculo da margem de contribuição por produto, cliente, região e representante de vendas.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.