Conheça os principais erros na entrega da EFD-Contribuições

Conheça alguns dos erros mais cometidos na entrega da EFD-Contribuições e evite cometer eles. Leia este artigo e se informe!

Com o avanço da tecnologia muitas obrigações começaram a ser feitas digitalmente, o SPED (Sistema Público de escrituração Digital), traz a escrituração de diversos livros para mundo digital.  Escriturações como a EFD-Contribuições vieram para facilitar a vida das empresas.

Porém, mesmo o envio digital das escriturações sendo mais seguro e menos sujeito a erros, é comum que erros aconteçam. Mas, nós vamos te informar quais são os erros mais cometidos na entrega da EFD-Contribuições.

Conheça os principais erros e evite cometer eles. Veja nos próximos tópicos os erros mais cometidos na entrega da EFD-Contribuições.

Principais erros na entrega da EFD-Contribuições

Veja abaixo alguns dos principais erros cometidos na entrega da EFD-Contribuições:

  • Não informar receitas financeiras:

As receitas devem ser informadas no Registro F100 – Demais Documentos e Operações Geradoras de Contribuição e Créditos. 

No registro f100 todas as operações representativas de todas as receitas deverão ser informadas, sejam elas com incidência ou não das contribuições sociais, além das outras aquisições, despesas, custos e encargos, com direito à apuração de créditos provenientes das contribuições sociais necessárias na escrituração de determinado período, incluindo as receitas financeiras.

  • Ocultar Valores retidos na fonte:

Quando uma empresa é beneficiada com a retenção, ela deve prestar as devidas informações no Registro F600. 

O aproveitamento dos valores escriturados naquele momento, deverão ocorrer No campo 06 (VL_RET_NC) ou campo 10 (VL_RET_CUM), retenção de natureza não-cumulativa e cumulativa, respectivamente, do registro M200 (PIS) ou M600 (COFINS).

E os registros 1300 (PIS) e 1700 (COFINS), também devem ser utilizados para controlar eventuais saldos de retenção na fonte.

  • Informação indevida da base de cálculo e alíquota do PIS e COFINS:

A base de Cálculo e Alíquota de PIS e COFINS não requerem o preenchimento obrigatório, ao contrário das CSTs (Código de Situação Tributária) representativas de operação geradora de contribuição social ou de crédito. 

A base de cálculo é a receita operacional bruta da pessoa jurídica, sem deduções em relação a custos, despesas e encargos.

  • Escrituração nos Registros 1100 e 1500 dos créditos de PIS e COFINS por saldos acumulados:

Este erro é um dos mais cometidos quando falamos de créditos apurados durante períodos anteriores ao da escrituração e estejam disponíveis, total ou parcialmente para o atual procedimento, devem ser demonstrados mensalmente por meio da apuração nos registros 1100 (PIS/PASEP) e 1500 (COFINS).

  • Escriturar notas canceladas:

Neste caso, não é preciso informar documentos fiscais que não abordam as operações geradoras de receitas ou créditos do PIS/PASEP e COFINS. Lembrando, não é preciso escriturar as notas fiscais canceladas.

  • Escrituração de documento fiscal não se refere à operação geradora de crédito:

A escrituração de um documento fiscal não se refere só a uma operação geradora de crédito (CST 70, 71, 72, 73, 74, 75, 98 ou 99). 

No que se refere às aquisições do período, é só escriturar os documentos correspondentes às operações geradoras de crédito (CST 50 a 56, se tratando de créditos básicos; e CST 60 A 66, para os créditos presumidos).

Quando a nota fiscal tiver tantos itens sem direito à apropriação de crédito quanto itens com direito, o documento fiscal deverá ser informado em sua integralidade.

  • Escrituração de documento fiscal sem relação à operação geradora:

 É um  erro muito comum, realizar a escrituração do documento fiscal que não possui nenhuma relação à operação geradora da Receita.

As operações que não se caracterizam como transações comerciais, digo, aquelas geradoras de receitas, as quais não precisam ser escrituradas.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.