A energia é a base para o funcionamento de diversos setores do país.

Atualmente, é impossível citar um ramo de negócio, comércio ou indústria que consiga manter uma rotina de produção sem eletricidade. 

A importância é tanta que diversos setores, inclusive, necessitam de geradores de energia para garantir o fornecimento de eletricidade durante todo o tempo, já que dependem do consumo constante.

Porém, é inegável que alguns ramos acabam gastando mais energia do que outros.

A explicação para isso varia entre tamanho e potência do maquinário utilizado e o tempo de funcionamento diário do negócio

Pensado nisso, o texto traz os dez setores que mais consomem energia no país, além de explicar um pouco porque esse gasto acaba sendo tão acentuado nessas áreas específicas. 

1. Indústria automobilística

A indústria, de forma geral, é o setor que mais consome energia elétrica no Brasil. 

De acordo com o levantamento da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), apenas o ramo industrial foi responsável por cerca de 36% da energia consumida em todo o país em 2018. 

Mas, dentro desse meio específico, a indústria automobilística é uma das que lidera a lista de consumo energético.

Um dos motivos para isso são os tipos de máquinas usadas para a produção de veículos, que costumam ser bem grandes e podem pesar até mesmo toneladas. 

Além disso, esse setor demanda energia constante e de alta qualidade, já que qualquer pausa no processo pode custar caro – visto que a indústria trabalha com produtos de alto valor no mercado.

2. Hospitais

Para unidades hospitalares, a importância da energia se torna ainda mais evidente.

No setor de saúde, são necessárias máquinas sofisticadas, muitas vezes operando 24h, além de iluminação adequada ao longo de todo o dia – o que consome uma quantidade considerável de energia.

Além disso, a necessidade de eletricidade constante é tanta que, se não houver a entrada imediata de geradores após uma queda energética, o tratamento de vários pacientes é interrompido, o que pode custar até mesmo a vida de alguém. 

Isso traz à tona, também, a importância da locação de geradores de energia de qualidade em hospitais. 

Unidades de saúde de vários estados são obrigadas, por lei, a possuírem a máquina em seu estabelecimento.

Porém, para isso, é importante contar também com o apoio de uma equipe especializada e ter uma manutenção constante para que o equipamento funcione plenamente. 

A fonte de energia alternativa, além de manter aparelhos essenciais funcionando, também auxilia em salas cirúrgicas, no funcionamento de elevadores e iluminação estratégica por todo o hospital. 

3. Shopping centers 

Grandes setores comerciais, como shopping centers, são outros grandes consumidores de energia do país.

Além do gasto considerável com iluminação, outra grande parte da eletricidade é utilizada na manutenção do sistema de ar condicionado, que permanece ligado por muitas horas seguidas. 

Nos últimos anos, estratégias para repensar o consumo de energia e diminuir a conta, vêm sendo adotadas pelas gestões de shoppings. 

Muitos têm apostado, por exemplo, em luz de LED, implementação de um sistema de energia solar e maior aproveitamento da luz natural.

Assim, além de diminuir o investimento em eletricidade, é uma maneira do shopping se manter competitivo no mercado.

4. Construção civil

Campos de construção civil necessitam de quantidades significativas de energia para manterem seu funcionamento.

É preciso energia para extração de material, transporte e produção de muitas matérias-primas, como cimento e aço.

Porém, as etapas referentes à construção e demolição de edifícios acabam sendo as fases que demandam maior potencial energético. 

Para além disso, a climatização, iluminação e outros equipamentos também são responsáveis por aumentar o consumo de energia, uma vez que são imprescindíveis para propiciar um ambiente adequado de trabalho.

5. Metalúrgicas 

A indústria metalúrgica também é uma das que mais consome energia no Brasil.

Assim como em outros casos industriais, o maquinário de peso, essencial para a produção, explica o grande consumo energético. 

Esses equipamentos são os mais diversos, usados para diferentes funções, desde a produção, modelagem e fundição de materiais.

E todos acabam demandando uma quantidade de eletricidade bem alta.

De acordo com dados do Anuário Estatístico do Setor Metalúrgico, a energia é tão importante para o ramo, que representou mais de 62% dos gastos de todo o setor em 2015.

6. Indústria de plástico

E mais uma indústria na lista.

Dessa vez, o item se refere ao segmento de plástico.

E, assim como as demais, são as máquinas necessárias que ajudam a explicar o gasto energético. 

Elas cumprem diversas funções, mas o equipamento necessário no processo de resfriamento e modulação do material é um dos mais importantes. 

Além disso, esse investimento em energia é compensado com economia de tempo e capital em algumas áreas.

Afinal, por meio dessas máquinas potentes, há a automação de muitos processos. 

7. Hotéis 

O setor hoteleiro, que inclui as pousadas pelo país, também tem a energia como um de seus maiores gastos de infraestrutura. 

E não é à toa, já que esses locais precisam de eletrônicos funcionando ao longo de todo dia para atender aos hóspedes da melhor forma.

Dentre eles estão equipamentos de refrigeração, aquecedores, elevadores, iluminação, chuveiros, televisores, máquinas da cozinha etc.

Por isso, muitas empresas estão investindo em formas de economizar na conta de energia, com a manutenção constante das máquinas e uso de iluminação natural em pontos e horários estratégicos – como o lobby do hotel, durante a manhã e começo da tarde. 

8. Supermercados

Apenas alguns minutos dentro de um supermercado são suficientes para perceber a quantidade de energia utilizada nesse local. 

Além de grande iluminação, auto-falantes, sistema de segurança complexo e aparelhos de caixa, uma das demandas energéticas mais importantes do setor é a refrigeração – tanto a climatização do ambiente, quanto do local no qual os alimentos estão armazenados. 

Uma queda de eletricidade pode representar graves problemas ao supermercado.

As compras terão que ser pausadas e muitos produtos – como queijos, carnes e sorvetes – podem estragar pelo aumento da temperatura.

9. Agricultura

A agricultura é um setor de grande consumo de energia, tanto no âmbito nacional quanto internacional.

O relatório das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura afirma que os alimentos produzidos pelo setor agrícola foram responsáveis por 30% da demanda energética em todo o mundo em 2015. 

Para além da produção em si, outros fatores, como o cultivo, transporte e distribuição são responsáveis também por intensificarem o consumo de energia desse ramo, que é majoritariamente provinda de combustíveis fósseis em diversos países do mundo.   

10. Setor de alimentos

Assim como nos supermercados, comércios do setor de alimentos – como restaurantes e bares – consomem bastante energia para a manutenção da refrigeração. 

Apenas na área da cozinha, há geladeiras, freezers e frigoríficos.

Esses equipamentos, apesar de fundamentais para impedir que os produtos estraguem, acabam sendo um maiores responsáveis pelos grandes gastos com energia do setor. 

Porém, outros eletrodomésticos – como fogão, liquidificador, batedeira -, além da necessidade de iluminação e ar condicionado em todo o ambiente frequentado pelos clientes aumentam ainda mais a conta.