Contencioso tributário deve aumentar com a crise e o novo REFIS

O novo programa de parcelamento em gestação no Congresso Nacional – um REFIS da Pandemia – traz de volta discussão importante sobre a capacidade de o Governo fazer valer a cobrança de tributos e a visão do empresariado de que esta é a primeira despesa a não ser paga em tempos de crise.

“É quase uma decisão instintiva de sobrevivência, quando o empresário se vê obrigado em pagar funcionários ou fornecedores, e os tributos acabam ficando no fim da fila, especialmente para pequenas e médias empresas.” comentou Márcio Iavelberg, CEO da Blue Numbers, consultoria focada em Pequenas e Médias Empresas.

Além do instinto de sobrevivência das empresas, outros fatores fazem com que os tributos tomem o último lugar na fila das prioridades de pagamentos das empresas em momentos de crise.

Em estudo recente sobre o tema, a EHTS – Legaltech e Insurtech identificou que, analisou o impacto da cobrança de tributos para as companhias, do ponto de vista financeiro, o não pagamento dos tributos só tem efeito financeiro que justifique a opção normalmente após 2 anos.

“Exceto se considerarmos situações como o novo REFIS levantado pelo Presidente do Senado, prevendo redução de 100% nas multas e juros – cenário em que valeria quase imediatamente o não pagamento dos tributos –, o prazo médio é de 2 a 3 anos, dependendo da estrutura de capital de cada empresa”, aponta Fabio Floh, CEO da EHTS.

Se há um incentivo para o não pagamento de tributos dos pontos de vista das lógicas de sobrevivência e financeira, a penalização criminal ainda está em processo de amadurecimento, sendo que, para muitos empresários, compensa correr o risco.

Designed by @pressfoto / freepik
Designed by @pressfoto / freepik

“O fato de a legislação em vigor prever que o pagamento do tributo extingue a punibilidade, faz com que exista um período longo entre o não pagamento e o risco de ter efeito alguma medida criminal. Isso facilita que se faça um cálculo econômico, aumentando o apetite para riscos, já que se surgir um risco criminal, ele se resolve pelo pagamento”, afirmou Davi Tangerino, sócio de DTSC Advogados.

Considerando a Pandemia e os desincentivos destacados, parece pouco provável que o cenário de um contencioso com mais de R$ 5,4 trilhões em disputa nos tribunais (algo em torno de 75% do PIB brasileiro) – conforme Relatório Contencioso Tributário no Brasil do Núcleo de Tributação do Insper – tenha alterações nos médio e longo prazos.

Uma das esperanças que aparecem no horizonte para melhorar este cenário é a Reforma Tributária, que tem o potencial de racionalizar a cobrança de tributos, melhor o ambiente de negócios, e fazer com que o enorme volume de processos judiciais no Brasil seja reduzido, mas medidas que eliminem o modelo de gestão de não pagamento de tributos não se mostra próximo de ser aprovado.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.