Declarar ações e investimentos no IR: Como a falta dessas informações pode prejudicar o declarante?

0

Como muitos sabem, esse é um dos períodos mais importantes do ano para a Receita Federal, devido a entrega das Declarações de Imposto de Renda.

O prazo para finalização aumentou e agora é necessário que todos os cidadãos com ganho igual ou superior a R$28559.70 realizem o procedimento até o dia 31 de maio de 2021.

Mas é ideal saber que existem algumas regras que englobam o envio desses documentos e diferentes tipos de itens que devem ser declarados. Fábio Barretta, CEO da COAN Contábil explica que pessoas que realizam investimentos na Bolsa de Valores e trabalham com ações devem ter ainda mais cuidado ao declará-las.

“As day-trades são operações de crédito que podem gerar ganhos ou prejuízos, mas em ambos os casos é necessário verificar como esses fatos são aplicados no Imposto de Renda”, conta.

Ao fazer um investimento podem ocorrer duas situações, sendo o ganho ou a perda de dinheiro e em ambos os casos, é fundamental que esses valores sejam declarados.

Um dos fatores que deve ser levado em consideração ao fazê-lo é que existem diferenças entre fazer essas atividades por conta própria e com a ajuda de uma corretora, uma vez que a segunda pode ajudar a diminuir a burocracia que envolve a declaração de IR.

Designed by tallycavang / shutterstock
Designed by tallycavang / shutterstock

Segundo Barretta, quando o indivíduo faz um investimento e tem prejuízo, é necessário fazer a declaração para acumular esse dispêndio e compensá-lo nas IR dos anos seguintes.

Em contrapartida, quando há algum ganho, caso realize as transações por conta própria é importante apurar na declaração por meio do DARF, mas se é feito por intermédio de uma corretora, ela será a responsável por fazer essa apuração da rentabilidade e a retenção do IR.

Mesmo que o valor de rendimento não se enquadre no mínimo exigido pela receita, as próprias corretoras de investimento reportam à Receita Federal caso exista algum ganho e se esses valores não forem declarados podem prejudicar o investidor.

“Tivemos diversos casos de agentes que operam por intermédio das corretoras que ficaram com a declaração ausente e tiveram irregularidades no CPF por conta disso”, Fábio relata.

Com a ausência de informações importantes na declaração de imposto de renda, as pessoas podem ter ainda mais prejuízo. Além de irregularidades no CPF, pode ser necessário fazer novos pagamentos à Receita Federal.

Ele explica que isso ocorre pois está cada vez menos vantajoso fazer aplicações de renda fixa, uma modalidade de investimento com rentabilidade previsível.

“Por conta da queda da taxa de juros, boa parte dos investidores optam pela renda variável, que tem possibilidade de ganhos maiores mesmo com a variação”, ele finaliza.

Por Fábio Barretta