Passou a linha tênue entre juventude e vida adulta? Parabéns, declarar Imposto de Renda vem junto com o pacote “vida adulta”. Contas a pagar, contas a receber, impostos, taxas e dá vontade de voltar a ser criança mas, respira fundo e vamos juntos nessa.

Está fazendo a declaração do IR pela primeira vez? Então continue lendo e presta atenção no nosso check list para não começar já fazendo c*%*%*%.

Por onde começar?

Claro que se você pesquisou no Google “como declarar Imposto de Renda pela primeira vez?” é porquê, no mínimo, imagine que precisa declarar. Mas não custa dar aquela leve conferida novamente. Quem precisa declarar IR são aqueles que:

  • receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 e, em relação à atividade rural, obteve receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50;
  • rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00;
  • aqueles que obtiveram, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeitos à incidência do imposto, ou realizaram operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • contribuintes que investiram qualquer valor em bolsas de valores, mercado de capitais ou similares;
  • pessoas que passaram a ter condição de residente no Brasil, durante do ano passado;
  • quem quer compensar, no ano anterior ou posterior prejuízos relativos à atividade rural de anos anteriores;
  • o contribuinte que efetuou a venda de um imóvel residencial ao longo do ano de 2019 e teve lucro sobre a venda, deve declarar o valor do ganho de capital na declaração de IRPF 2020. Isto, para o caso do ganho de capital ser utilizado para a compra de outro imóvel no Brasil no período de 180 dias a partir da data de venda do imóvel estabelecido por contrato;
  • aqueles que tiveram, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00.

Se você se encaixa em umas dessas questões, iniciamos o check list:

1 – Não deixe para a última hora

Depois de conferir se você precisa ou não declarar, anote isso: antecipe-se! Parece besta mas, só no último ano, faltando 5 horas para finalizar o período de entrega ainda faltavam 800 mil contribuintes para enviar a declaração. Com isso, você terá:

  • problemas para baixar o programa;
  • problemas com lentidão do sistema na hora do envio e;
  • risco de pagamento de multa por atraso na entrega.

Fora que se fizer tudo na correria, mesmo com um bom orientador ao lado, as chances de erro são enormes. Quanto antes baixar o programa e se organizar, mais tranquilo e feliz será o processo.

2 – Separe todos os documentos necessários

Sua memória pode ser ótima, mas são tantos os dados que precisam ser preenchidos no Programa da Receita, que você com certeza irá precisar ter em mãos os documentos que comprovem, tanto os ganhos, quanto as despesas obtidas.

Basicamente são os seguintes documentos:

  • informações gerais;
  • dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado, caso haja;
  • nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento;
  • endereço atualizado;
  • cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue;
  • atividade profissional exercida atualmente;
  • renda;
  • bens e direitos;
  • dívidas e ônus;
  • renda variável;
  • pagamentos e doações.

3 – Confira se as despesas que teve, de fato são dedutíveis

Muito comumente as pessoas param na Malha Fina por erros na declaração. Um dos mais comuns é declarar despesas que não são dedutíveis no Imposto de Renda. Por exemplo, gastos com saúde são dedutíveis, aqueles de despesas com convênio médico ou exames por exemplo. Entretanto, despesas com farmácia não são. Então confira o que pode ser declarado:

4 – Baixe o Programa da Receita

Essa etapa é bem tranquila, entra lá no site da Receita e baixa o programa. A instalação é bem simples e em poucos segundos estará tudo liberado para começar a fazer a declaração de fato.

5 – Faça a opção pelo modelo completo ou simplificado

Muito pessoal isso e claro que não cabe a nós dizer qual a melhor opção, mas basicamente se você não tem muitas despesas dedutíveis ou dependentes, aconselhamos a fazer o modelo simplificado.

Todavia, já que vai declarar Imposto de Renda pela primeira vez, cabe testar as duas opções antes do envio.

6 – Por último confira, confira e confira de novo antes do envio

Declarar Imposto de Renda pela primeira vez pode ser uma experiência terrível ou tranquila. Qual você escolhe?

Conferir o rascunho, rever todos os dados digitados nunca é besteira. Pelo contrário, qualquer erro bobo te leva para a malha fina, ou a pagar mais imposto à toa. Então minimize todos esses problemas.

IR Sem Erro é uma plataforma online que faz a análise do rascunho da sua declaração, antes de você enviar para a Receita Federal. A plataforma é capaz de analisar sua declaração, quantas vezes forem necessárias, até que todos os erros sejam zerados.

Dica Extra: Aprenda a fazer Declaração de Imposto de Renda. Aprenda tudo de IR em apenas um final de semana.

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber sobre IR.

No curso você encontra:

  • Conteúdo detalhado, organizado e sem complexidade.
  • Videoaulas simples e didáticas.
  • Passo a passo de cada procedimento na prática.

Tudo a sua disposição, quando e onde precisar

Não perca tempo, clique aqui e aprenda a fazer a declaração do Imposto de Renda.

Conteúdo original IR sem Erro