Investir em carro ou casa qual é o melhor para aumentar o patrimônio?

ITBI

Aumentar o patrimônio é algo fundamental para quem deseja ter tranquilidade no futuro. Porém, muitos têm dúvidas sobre por onde começar e qual seria a melhor opção entre casa ou carro. De fato, esse é um assunto que deve ser pensado com bastante cuidado.

Inicialmente, vale a pena ressaltar que alcançar esse objetivo é possível para todos, inclusive para quem é jovem e a ainda está na fase de conquistas. Afinal, você pode começar a se planejar financeiramente e efetivamente investir em bens. Há várias maneiras de colocar esses planos em prática, porém algumas são mais vantajosas que outras — a exemplo do consórcio.

Está confuso e deseja saber como aumentar seu patrimônio? Casa ou carro, descubra qual deles é mais vantajoso para você!

Qual é a diferença entre gasto e investimento?

Antes de decidir entre casa ou carro, é importante entender dois conceitos relacionados ao aumento de patrimônio: investimento e gasto. Investir significa utilizar o dinheiro com o objetivo de ter um retorno futuramente. O prazo dessa ação pode variar de acordo com o tipo investimento e da empresa contratada para gerir o seu dinheiro.

Por sua vez, gastar corresponde a toda ação que resulta na saída de dinheiro do seu orçamento pessoal. O interessante é que ele pode ser dividido em despesas, custos e até mesmo investimentos, pois envolve o uso dos seus próprios recursos para uma finalidade específica.

Normalmente, quando uma parcela dos seus ganhos é usada para investir, você espera receber mais do que a quantia aplicada inicialmente. Poupança, fundos de renda fixa, CDB, Tesouro Direito e compra e venda de imóveis são alguns tipos de investimentos seguros, que podem ser feitos sem que a pessoa tenha um conhecimento muito profundo na área financeira.

Como um imóvel pode se tornar um investimento?

Como visto, comprar um imóvel pode ser considerada uma forma de investimento para aumentar o patrimônio. Afinal, você paga um determinado valor para adquiri-lo e, no futuro, ele valerá mais, principalmente se for escolhida uma boa localização, mantido o bom estado de conservação e feitas melhorias.

Além disso, o imóvel passa a valer mais conforme o passar dos anos por conta do deficit habitacional no Brasil. Segundo uma publicação do Valor Econômico, faltam 7,7 milhões de moradias no nosso país. Ou seja, a demanda é muito alta, facilitando a venda desses imóveis por um valor maior do que o investido inicialmente.

A inflação também explica o processo de valorização dos imóveis. Afinal, as negociações que envolvem o mercado imobiliário são feitas com base no Índice Nacional da Construção Civil (INCC). Como ele atualiza os preços do setor, quem investe no imóvel próprio acaba protegendo o poder de compra do dinheiro.

É comum, por exemplo, pagar R$220 mil por um apartamento e o valor dele aumentar consideravelmente em certo espaço de tempo. Uma reportagem da Gazeta Online mostrou que alguns empreendimentos podem valer cerca de 60% a mais em apenas 2 anos. Além disso, sua casa ou apartamento também pode funcionar como uma fonte de renda por meio do aluguel tradicional ou de hospedagem compartilhada — como é o caso do AirBnb.

Por que carro não é um investimento?

Carro pode ser algo necessário e que proporcione para você mais conforto ou até mesmo uma fonte de renda extra — especialmente se participar de aplicativos de carona, como o Uber. No entanto, ele não é considerado um investimento.

Mesmo que você compre um carro novo ou usado, assim que colocar a chave na ignição ele já valerá menos no mercado. Outros fatores ainda depreciam mais o valor do automóvel, como a quilometragem, a falta ou não de certos equipamentos, o modelo, surgimento de novas versões e até o estado de conservação geral do veículo.

Por outro lado, o carro gera uma série de custos. É preciso pagar despesas como seguro, revisões, combustível e o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Dependendo do modelo, um carro popular pode percorrer entre 13 km e 17 km por litro de gasolina, como indica levantamento feito pelo Correio Braziliense. Se for considerar que o preço da gasolina é R$ 5/litro, será necessário ao menos R$ 50 a cada 130 km rodados.

Lembre-se de que para aumentar o patrimônio é necessário investir em algo que valorize no futuro e proporcione um retorno maior do que o valor aplicado inicialmente. Com o carro ou qualquer outro tipo de veículo, isso definitivamente não acontecerá, uma vez que eles depreciam e têm um custo periódico elevado.

Como o consórcio pode ser usado para adquirir os dois?

Independentemente da sua escolha entre casa ou carro, saiba que o consórcio é uma forma segura e eficaz de adquirir os dois. Aliás, ele é ideal para quem não tem pressa em conquistar o bem e gosta de planejar com tranquilidade a compra para que ela não pese no bolso.

Desse modo, você pode optar por uma carta de crédito de um determinado valor para a aquisição e realizar o pagamento das parcelas mensalmente durante o período previsto em contrato. Apenas tenha em mente que para cada tipo de bem, é necessário fazer um tipo específico de consórcio. Não é possível, por exemplo, fazer um consórcio de carro e, depois de algum tempo, querer utilizá-lo para a compra de um imóvel, pois são categorias diferentes. Entretanto, é viável modificar a escolha dos produtos dentro de cada uma delas. Por exemplo, a de imóveis engloba apartamento, casa, terreno e reforma.

Uma das grandes vantagens do consórcio é que você não precisa se preocupar em ter um dinheiro guardado para pagar a entrada, ou seja, o imóvel pode ser igualmente parcelado desde o início. Tudo isso torna sua aquisição mais tranquila e alivia seu bolso.

Também é importante destacar que não há cobrança das taxas de juros, como ocorre em outros modelos de compra parcelada. Isso porque a parcela do consórcio é calculada com base no valor da carta de crédito, somado pela taxa de administração e pelo fundo de reserva. Em alguns consórcios também pode ser cobrada uma porcentagem referente ao seguro, por isso verifique seu contrato de aquisição para saber todas as taxas cobradas. Mesmo com a existência dessas taxas, o valor final do bem ainda é mais acessível.

Pensando em construir ou aumentar seu patrimônio, é necessário organizar as finanças e distinguir os gastos dos investimentos. Desse modo, fique atento àqueles bens que, aparentemente parecem uma boa forma de aplicar o seu dinheiro, mas que futuramente não trarão o retorno esperado.

Conteúdo original Racon Consórcios