Pessoas vacinadas contra a Covid-19 ainda podem disseminar o vírus?

0

Pontos Principais

  • As vacinas podem ser ótimas para evitar que você adoeça, ao mesmo tempo que não necessariamente impedem que você fique infectado ou espalhe o germe;
  • Evidências iniciais parecem sugerir que as vacinas COVID-19 tornam menos provável que alguém vacinado transmita o coronavírus, mas a prova ainda não é sólida;
  • Pessoas não vacinadas ainda devem ser cuidadosas quanto ao uso de máscara, distanciamento físico e outras precauções contra o coronavírus.

Quando os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA mudaram suas diretrizes sobre o uso de máscaras em 13 de maio de 2021, muitos americanos ficaram um pouco confusos.

Agora, qualquer pessoa que esteja totalmente vacinada pode participar de atividades internas e externas, grandes ou pequenas, sem usar máscara ou distanciamento físico.

Anthony Fauci, conselheiro médico chefe do presidente Biden, disse que a nova diretriz é “baseada na evolução da ciência” e “serve como um incentivo” para quase dois terços dos americanos que ainda não estão totalmente vacinados para se vacinarem.

Mas algumas pessoas não podem ser vacinadas devido a condições implícitas. Outros com sistema imunológico enfraquecido, de câncer ou tratamentos médicos, podem não estar totalmente protegidos por suas vacinas.

Crianças de 12 a 15 anos se tornaram elegíveis para a vacina Pfizer-BioNTech somente em 10 de maio de 2021. E nenhuma vacina foi autorizada ainda para os quase 50 milhões de crianças nos EUA com menos de 12 anos. 

Conforme as restrições são suspensas e as pessoas começam a deixar suas máscaras em casa, algumas pessoas se perguntam: posso pegar Covid-19 de alguém que foi vacinado?

As vacinas nem sempre previnem a infecção

Os pesquisadores esperavam desenvolver vacinas seguras que impediriam pelo menos metade das pessoas vacinadas de desenvolver os sintomas da Covid-19.

Felizmente, as vacinas superaram amplamente as expectativas. Por exemplo, em 6,5 milhões de residentes de Israel, com 16 anos ou mais, a vacina Pfizer / BioNTech mRNA foi considerada 95,3% eficaz após as duas doses.

Em dois meses, entre os 4,7 milhões totalmente vacinados, as infecções detectáveis caíram 30 vezes. Da mesma forma, na Califórnia e no Texas, apenas 0,05% dos profissionais de saúde totalmente vacinados tiveram resultado positivo para Covid-19.

Os desenvolvedores de vacinas muitas vezes esperam que, além de prevenir doenças, suas vacinas atinjam “imunidade esterilizante”, em que a vacinação impede que o germe até mesmo seja capaz de entrar no corpo.

Essa imunidade esterilizante significa que alguém que foi vacinado não pegará o vírus nem o transmitirá posteriormente. Para uma vacina ser eficaz, no entanto, ela não precisa impedir que o germe infecte uma pessoa imunizada.

A vacina inativada da Salk contra a poliomielite, por exemplo, não impede completamente o crescimento do vírus da poliomielite no intestino humano.

Mas é extremamente eficaz na prevenção da doença incapacitante porque ativa anticorpos que impedem o vírus de infectar o cérebro e a medula espinhal.

Boas vacinas fornecem treinamento eficaz e durável para o sistema imunológico do corpo, então, quando ele realmente encontra o patógeno causador da doença, está pronto para montar uma resposta ideal.

Designed by BEAUTY STUDIO / shutterstock
Designed by BEAUTY STUDIO / shutterstock

Quando se trata da Covid-19, os imunologistas ainda estão descobrindo o que chamam de “correlatos de proteção”, fatores que predizem o grau de proteção de uma pessoa contra o coronavírus.

Os pesquisadores acreditam que uma quantidade ideal de “anticorpos neutralizantes”, o tipo que não apenas se liga ao vírus, mas também evita que ele infecte, é suficiente para evitar infecções recorrentes.

Os cientistas também ainda estão avaliando a durabilidade da imunidade que as vacinas Covid-19 estão fornecendo e onde no corpo ela está funcionando.

Uma pessoa vacinada pode transmitir o coronavírus?

Os imunologistas esperam que as vacinas que protegem contra doenças virais também reduzam a transmissão do vírus após a vacinação.

Mas é realmente complicado descobrir com certeza se as pessoas vacinadas não estão transmitindo o germe.

A Covid-19 representa um desafio particular porque pessoas com infecções assintomáticas e pré-sintomáticas podem espalhar a doença, e rastreamento e teste de contato insuficientes significam que aqueles sem sintomas raramente são detectados.

Alguns cientistas estimam que o número de infecções assintomáticas por Covid-19 na população geral pode ser de 3 a 20 vezes maior do que o número de casos confirmados.

A pesquisa sugere que os casos não documentados de Covid-19 em pessoas que eram assintomáticas ou tiveram doença muito leve podem ser responsáveis por até 86% de todas as infecções, embora outros estudos contradigam as altas estimativas.

Em um estudo, o CDC testou profissionais de saúde voluntários e outros trabalhadores da linha de frente em oito locais dos EUA para infecções por SARS-CoV-2 semanalmente por três meses, independentemente dos sintomas ou estado de vacinação.

Os pesquisadores descobriram que os participantes totalmente imunizados tinham 25 vezes menos probabilidade de testar positivo para Covid-19 do que aqueles que não foram vacinados.

Descobertas como essa indicam que, se as pessoas vacinadas estão tão bem protegidas contra a infecção, também é improvável que espalhem o vírus.

Mas sem o rastreamento de contato para rastrear a transmissão em uma população maior, é impossível saber se a suposição é verdadeira.

O que sabemos com certeza é que se alguém ficar doente com Covid-19 após a vacinação, no que é chamado de “infecção avançada”, os sintomas serão mais brandos.

Estudos descobriram que pessoas com teste positivo para Covid-19 após receberem apenas a primeira dose da vacina tinham níveis mais baixos de vírus em seus corpos do que pessoas não vacinadas com teste positivo.

Os pesquisadores acreditam que a diminuição da carga viral indica que as pessoas vacinadas que contraem o vírus serão menos infecciosas porque terão muito menos vírus que poderiam ser transmitidos a outras pessoas.

Um estudo de pré-impressão que ainda não foi revisado por pares sugere que a vacina da Moderna de mRNA pode produzir anticorpos que combatem o coronavírus no fluido oral e nasal.

Uma vez que é onde o SARS-CoV-2 entra, os anticorpos na boca e no nariz devem bloquear o vírus de entrar no corpo, fornecendo efetivamente “imunidade esterilizante”.

Isso também significaria que as pessoas vacinadas provavelmente não espalhariam o vírus por meio de gotículas respiratórias.

Essas evidências são promissoras. Mas, sem mais estudos, os cientistas ainda não podem concluir que as vacinas Covid-19 realmente protegem contra todas as transmissões.

Os estudos que tentam responder diretamente a essa pergunta por meio do rastreamento de contatos estão apenas começando: os pesquisadores rastrearão as infecções por Covid-19 entre voluntários vacinados e não vacinados e seus contatos próximos.

Conteúdo traduzido da fonte The Conversation por Wesley Carrijo para o Jornal Contábil