Popularidade do PIX atrai criminosos. Como me protejo? Entenda 

0
PIX banco Central

Com a adesão de milhares de brasileiros ao Pix, a ferramenta acabou virando alvo de golpes e fraudes. Confira como são feitos, e os cuidados para se manter protegido.

A ferramenta revolucionária  do Banco Central  vem ganhando cada vez mais adeptos por todo Brasil, Segundo informações do próprio  BC, mais de 206 milhões de pessoas se cadastraram ao pix, apesar de fazer apenas 6 meses, desde sua criação.

O sistema apesar de ser seguro, acabou caindo na mira de criminosos que desenvolveram formas de aplicar golpes e fraudes, exigindo o cuidado e a atenção do usuário.

Confira como são feitos estes golpes e como se proteger:

Exemplo 1 – Uma das formas utilizadas pelos criminosos é no envio de um link falso, solicitando o cadastro de uma Chave Pix, a partir daí o usuário é direcionado para uma página igualmente falsa onde será efetuado o roubo de informações que poderão ser cadastrados como chave Pix em uma conta golpista. A recomendação é estar atento e nunca clicar em links de procedência duvidosa. Sempre em caso de dúvida entrar em contato com a instituição na qual você está usando a ferramenta.

Exemplo 2 – Outra forma muito comum no WhatsApp, funciona também se utilizando de um link falso, com o objetivo de clonar as informações de uma determinada pessoa, para depois se passar por ela, a fim de roubar o dinheiro de seus contatos. Isto pode acontecer através de um Qr code para um pagamento, contudo acaba sendo direcionado ao golpista. A atenção aí é redobrada, em razão de que no Pix o estorno é um processo mais complexo, diferentemente de uma transferência comum.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Exemplo 3 – O roubo também pode ser feito através de ligações alegando que algum aparelho eletrônico da vítima precisa de reparos para realizar as transações no Pix. A partir do acesso ao aparelho em questão, o golpista pode furtar desde informações à Chaves Pix e senhas.

Exemplo 4 – Neste caso, os golpistas usam de uma estratégia que funciona como uma armadilha para o usuário lhe transferir dinheiro, insinuando que há uma forma de receber dinheiro em dobro usando a Chave aleatória. Ela funciona através de uma mensagem ou vídeo, orientando a vítima a enviar dinheiro para chaves específicas, na sequência, eles disponibilizam números que supostamente funcionam, porém, diz respeito à conta dos ladrões. 

 Visando atenuar este cenário e trazer mais segurança para seus clientes. O Banco Central desenvolveu uma estratégia no combate destes furtos, através de uma ferramenta batizada de “Meus Limites Pix”.

Meus Limites pix: A nova ferramenta limita a quantidade de dinheiro que pode ser feita em uma transferência, evitando assim uma perda muito grande no caso da pessoa ter caído no golpe.

 Cabe salientar que a permissão do pedido para limitar a transferência acontece de forma instantânea.

Conteúdo por Lucas Machado