Prós e contras dos projetos de privatização de empresas

0

Recentemente o ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou que uma de suas frustrações no cargo é não ter conseguindo ainda colocar em prática projetos de privatização de grandes empresas.

Segundo o Mestre e Doutor em Contabilidade, professor do Programa de Mestrado em Ciências Contábeis da FECAP e coordenador do Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil (NAF) da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Tiago Slavov, a retomada da agenda das privatizações vai muito além da “receita” gerada pela venda de participações em empresas: a percepção do mercado de que o Governo não está “parado” aumenta a credibilidade do mercado em relação à política fiscal.

Por isso, as privatizações são cruciais.

Prós e contras

Segundo levantamento da Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Governo Federal Brasileiro, no final de 2019, o Brasil apresentava 620 participações diretas e indiretas em empresas privadas.

O número coloca o Brasil entre os governos com maior participação estatal em empresas do mundo, junto a países como Hungria, Índia e República Tcheca, segundo estudo da OCDE.

O tema privatizações é controverso, com ferrenhos defensores e críticos à ideia.

Os defensores das privatizações defendem que a participação do governo na iniciativa privada gera interferência nas decisões gerenciais, muitas vezes conflitantes com a operação do negócio.

Ou seja, torna as empresas menos lucrativas e valiosas.

Por outro lado, os defensores da participação estatal defendem que esse modelo oferece benefícios para a economia ao permitir ao governo mecanismos de mobilidade de recursos (quando investimentos demandam muito capital) e estabilidade social (contratando mais pessoas quando o mercado é adverso), além de manter o controle estratégico de determinados recursos (como é o caso da Petrobrás).

piramide

“Independentemente da posição sobre o assunto, um dado é irrefutável: a “intensidade” da participação do governo brasileiro na iniciativa privada é desproporcional ao visto no mundo, com exceção da China, país socialista em que as estatais costumam ser a regra”, diz.

Neste cenário, as privatizações podem atenuar o problema da dívida pública, que era de 51,8% do PIB em 2010 e deve alcançar 100% do PIB em 2021.

A dívida pública é o resultado de muitos inputs macroeconômicos, determinados principalmente pela política fiscal adotada no País.

Estudos econômicos mostram que países que buscaram reduzi-la aumentando investimentos públicos foram malsucedidos e viram a dívida pública aumentar.

Um efeito determinante da influência das privatizações no “ajuste” da dívida pública é, especialmente, o “efeito confiança”.

A insegurança do mercado com a política fiscal de um país impõe ao governo taxas de juros cada vez maiores, diminuindo o investimento privado e o crescimento econômico, aumentando assim a relação dívida pública/PIB.

Por esse motivo, a retomada da agenda das privatizações vai muito além da “receita” gerada pela venda de participações em empresas: a percepção do mercado de que o governo não está “parado” potencializa a credibilidade do mercado em relação à política fiscal, reduzindo os custos de transação.

A Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) é referência nacional em educação na área de negócios desde 1902.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.