Repórter norte-americana deixa o Afeganistão em avião com 300 refugiados

Clarissa já concedeu uma entrevista para a CNN Brasil

A repórter norte-americana Clarissa Ward, que era correspondente da CNN no Afeganistão em Cabul, precisou deixar o país, nesta sexta-feira (20) em um avião com refugiados.

A jornalista, através de seu Twitter, publicou imagens de o avião em que estava, com cerca de 300 pessoas que fugiram do país após o regime autoritário do Talibã tomar conta. Ela deixou uma mensagem na rede social “Em nosso voo nos preparando para a decolagem”, escreveu Clarissa.

Mais tarde, a repórter fez uma nova publicação dizendo haver acabado de pousar em Doha, capital do Qatar.
“Acabei de pousar em Doha com a equipe e quase 300 refugiados afegãos. Muito obrigado a todos por seu apoio e preocupação, à Força Aérea dos EUA por nos levar e ao Qatar por nos receber. Nós somos os sortudos”, escreveu a jornalista.

Clarissa já concedeu uma entrevista para a CNN Brasil, conduzida pelo jornalista William Waak, dizendo que “o Talibã tem sido bem receptivo e cordial com os jornalistas dizendo que podemos sair e fazer nosso trabalho com as reportagens”, mas afirmou que a sensação é de que eles estão sempre no limite.

A repórter, durante uma cobertura da tomada de poder pelo Talibã no Afeganistão, viveu momentos de pânico, enquanto estava ao vivo pela CNN chegando a pedir para abandonar a transmissão por motivos de segurança.
Durante uma das coberturas sobre a situação da tomada de poder pelo Talibã no Afeganistão, enquanto estava ao vivo na CNN, Clarissa chegou a pedir para abandonar a transmissão por questões de segurança.

Clarissa ficou famosa na internet, quando foi divulgada uma imagem sua com uma abaya, espécie de vestido com um véu cobrindo o cabelo ao redor da cabeça, o que supostamente indicava que ela estaria sendo obrigada pelo regime a utilizar a vestimenta. No entanto, ela desmentiu a versão, dizendo que, nas ruas de Cabul, ela sempre utilizou lenço cobrindo a cabeça.

Comentários estão fechados.