Saiba como não perder direitos perante o INSS em momentos de crise

0
727

Não é segredo que a economia não anda bem. Muitos perderam o emprego, reduziram os gastos, têm pago as contas que conseguem. Alguns têm honrado os pagamentos necessários para a sobrevivência.

A situação financeira da maioria das pessoas entrou em colapso, simples assim.

Esse artigo visa garantir que as pessoas mantenham seus direitos perante o INSS, mesmo em momentos de crise.

Épocas difíceis exigem organização, planejamento e calma, até porquê a crise vai passar! E, enquanto ela não passa, vejamos o que podemos fazer para nos proteger e garantir direitos!)

Pois bem.

Reparem no nome: Instituto Nacional do Seguro Social.

Isso mesmo: o INSS funciona como um seguro (como o de carro ou imóvel, por exemplo), mas no caso, o “bem” segurado é VOCÊ!

Ou seja: você tem ou não cobertura em casos de doença, morte, invalidez, etc. Essa tal cobertura é chamada de “qualidade de segurado”.

São considerados segurados do INSS aqueles na condição de Empregado, Trabalhador Avulso, Empregado Doméstico, Contribuinte Individual, Segurado Especial e Facultativo.

Em regra, todos estes mantém essa qualidade, ou seja, continuam na condição de “segurado” do INSS.

Ainda, vale lembrar que a lei determina que, mesmo sem recolhimento, ainda é possível manter essa “qualidade de segurado” em alguns casos específicos.

É o chamado “período de graça”.

São as hipóteses:

a) sem prazo enquanto o cidadão estiver recebendo benefício previdenciário (auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, bem como auxílio-acidente ou auxílio-suplementar);

b) até 12 meses após o término de benefício por incapacidade (por exemplo auxílio-doença), salário maternidade ou do último recolhimento realizado para o INSS;

c) até 12 meses após terminar a segregação, para os cidadãos acometidos de doença de segregação compulsória;

d) até 12 meses após a soltura do cidadão que havia sido detido ou preso;

e) até 03 meses após o licenciamento para o cidadão incorporado às forças armadas para prestar serviço militar;

f) Até 06 meses do último recolhimento realizado para o INSS no caso dos cidadãos que pagam na condição de “facultativo”

Atenção: Os prazos acima começam a ser contados no mês seguinte à data do último recolhimento efetuado OU do término do benefício conforme o caso.

Ainda, os prazos poderão ser prorrogados, dependendo do caso concreto:

1. Mais 12 meses (segurado tiver mais de 120 contribuições consecutivas ou intercaladas sem a perda da qualidade de segurado);

2. Mais 12 meses (caso prove a situação de desemprego involuntário);

3. Mais 06 meses (caso do segurado facultativo e que tenha por último recebido salário-maternidade ou benefício por incapacidade).

Vale lembrar: Apesar da crise, a vida não pára!

Doenças, mortes, invalidez continuam a acontecer, TODOS OS DIAS.

Não ignoramos as dificuldades para a contribuição do INSS, contudo, faça o possível para manter a qualidade de segurado e garantir seus direitos, ok?

Via AMG Advocacia

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here