Economistas informam que família brasileira precisaria receber R$5,4 mil para viver dignamente

O piso salarial do Brasil deverá passar de R$1.100,00 para R$1.169,00 no ano de 2022, contudo, o aumento não é suficiente para trazer conforto aos lares brasileiros.

Pelo segundo ano consecutivo o aumento do salário mínimo não superará o percentual da inflação estimada para o ano de 2021. 

Atualmente a situação fiscal do Brasil não é das melhores, presentemente centenas de milhares vivem na pobreza e encaram o fantasma da fome sem os recursos necessários para manter uma vida e alimentação saudável. 

Piso salarial insuficiente

O reajuste no salário mínimo ocorre anualmente por determinação da Constituição Federal, o aumento deveria acompanhar o índice de inflação do país para que o poder aquisitivo da população não fosse prejudicado. 

Entretanto, em 2021 o aumento não acompanhou o percentual e o aumento foi inferior ao valor ideal para a manutenção do poder aquisitivo. O valor estimado era de R$1.102,00, contudo, não chegou a sair da casa dos R$1.100,00. 

A previsão é de que o mesmo ocorra no ano de 2022, no dia 31 de agosto foi anunciado o reajuste de 6,27% que representa um aumento de R$69,00 no piso salarial. 

Sendo assim, o novo valor para o ano de 2022 será de R$1.169,00. Novamente o ajuste ficou abaixo da quantia necessária para o povo brasileiro. 

A estimativa é de que o percentual da inflação feche em 7,46%. 

Reajuste incompatível com a realidade

Segundo a supervisora de pesquisa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), nos dias de hoje a família brasileira precisaria ter acesso a uma receita de R$5,4 mil para viver de forma digna. 

O cálculo considerou o valor da cesta básica em 17 capitais de Estados onde os custos são mais elevados. Além disso, ponderou necessidades básicas como transporte, alimentação, educação, saúde e moradia. 

Conforme a supervisora, os grupos familiares considerados de baixa renda direcionam toda sua receita para a manutenção da alimentação. Os alimentos vêm sofrendo com aumentos constantes, o custo para manter uma alimentação constante está cada vez mais alto. 

Graças a situação crítica do país, muitas famílias passaram a viver nas ruas por falta de recursos para manter o pagamento de despesas como aluguel, água e luz. 

Segundo informações do IBGE as carnes tiverem um aumento de 34,3%. Presentemente, é comum as pessoas procurarem ossos de boi em açougues para manter o consumo da proteína. 

A economista informa que a situação mais preocupante atualmente é a fome que a população tem passado. Informa que a cesta básica utiizada para o cálculo só contou com alimentos básicos como arroz, óleo, feijão e etc. Se fossem considerar todos os produtos necessários o cálculo acabaria no zero a zero. 

Medidas como vale-gás, auxílio emergencial e auxílio Brasil são apenas algumas alternativas para amenizar a situação no momento, mas não representam ganhos reais para a população que só vê seu poder de compra diminuir. 

O valor do piso salarial previsto para o ano que vem é apenas mais uma prova de que o poder aquisitivo do brasileiro continuará a ser reduzido. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.