Simples Nacional: Existem restrições para aderir a este regime?

0

Na hora de formalizar sua empresa é natural surgir algumas dúvidas, mesmo que a opção escolhida seja o Simples Nacional que se trata de um regime tributário mais simplificado, cujos tributos e contribuições estão unificados em apenas uma guia de pagamento, sendo esta uma das vantagens de aderir ao regime. 

Mas, infelizmente não é qualquer empresa que pode aderir ao Simples Nacional, pois, existem certas restrições que podem interferir na hora de fazer a adesão a este regime.

Para que você entenda melhor quais são estas restrições, no intuito de saber se a sua empresa cumpre com os critérios estabelecidos por lei para fazer parte do Simples Nacional, acompanhe este artigo e tire suas dúvidas sobre o tema. 

O que é o Simples Nacional?

Todas as microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP) podem optar pelo regime, desde que não tenham as restrições previstas na Lei Complementar 123, de 2006.

Também é necessário ter faturamento anual de até R$ 360.000 para Microempresas e até R$ R$ 4.800.000,00 para Pequenas empresas. 

Além disso, a atividade desenvolvida precisa estar na lista de atividades enquadradas no Simples Nacional.

Desta forma, todas as atividades permitidas possuem códigos CNAE (Classificação Nacional das Atividades Econômicas). 

Para conferir se a sua empresa poderá optar pelo regime, basta consultar a atividade por meio do site do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ou consultar um contador que poderá tirar suas dúvidas sobre o Simples Nacional. 

Restrições

Assim como falamos acima, existem algumas restrições que estão previstas pela Lei Complementar nº 123/2006.

Em suma, está impedida a pessoa jurídica que:

  • Empresa que possui outra pessoa jurídica participando de seu capital ou participe do capital de outra pessoa jurídica;
  • Empresa que seja filial, sucursal, agência ou representação de pessoa jurídica com sede no exterior;
  • Pessoa física sócia de outra empresa que esteja no Simples Nacional, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$ 3.600.000,00 anuais atualmente definidos;
  • Sócio que participe com mais de 10% no capital de outra empresa não optante pelo Simples Nacional, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$3.600.000,00 anuais atualmente definidos;
  • Sócio seja administrador ou equiparado de outra pessoa jurídica com fins lucrativos, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$3.600.000,00 anuais atualmente definidos;
  • Empresa que seja constituída sob a forma de cooperativas, exceto as de consumo;
  • Empresa que exerça atividade de banco comercial, de investimentos e de desenvolvimento, de caixa econômica, de sociedade de crédito, financiamento e investimento ou de crédito imobiliário, de corretora ou de distribuidora de títulos, valores mobiliários e câmbio, de empresa de arrendamento mercantil, de seguros privados e de capitalização ou de previdência complementar;
  • Empresa que seja resultante ou remanescente de cisão, ou qualquer outra forma de desmembramento de pessoa jurídica que tenha ocorrido em um dos cinco anos-calendário anteriores;
  • Empresa que seja constituída sob a forma de sociedade por ações;
  • Empresa que um dos sócios guarde, cumulativamente, com o contratante do serviço, relação de pessoalidade, subordinação e habitualidade.

Atividades que não são permitidas 

Além de algumas restrições, também ficam proibidas certas atividades empresariais e que também podem resultar na exclusão do Simples Nacional como regime tributário.

Veja quais são essas restrições: 

  • Empresa que exerça atividade de banco comercial, de investimentos, financiamento ou qualquer modalidade de crédito;
  • Empresa que tenha exercício no ramo energético, como geradoras, transmissoras, distribuidoras e comercializadoras de energia elétrica;
  • Empresa que exerça atividade de importação ou fabricação de automotores, mas também importação de combustíveis;
  • Empresas atacadistas ou produtoras de cigarros, charutos, filtros para cigarros, detonantes e explosivos, munições e pólvoras. Além disso, empresas fabricantes de armas de fogo.

Exclusão 

Além das restrições para a adesão ao Simples Nacional, existem algumas situações que motivam a exclusão da empresa que faz parte do regime.

Dentre as principais razões para isso acontecer está o endividamento da empresa sem a intenção de solucionar a questão. 

Ressaltamos ainda o faturamento quando ultrapassa o limite permitido pelo regime, assim como quando a empresa que faz a adesão ao Simples acaba realizando atividades que não são permitidas, da mesma forma que aquelas que cometem fraudes ou acabam descumprindo as leis.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda